Eleições

Por Gustavo Guimarães, em 03/11/2012 às 22:11  

Com vitórias e derrotas se faz a democracia

Tamanho da fonte: a-a+

Volto a escrever após as eleições Municipais de 2012. Seria muito pretensioso tentar traduzir com fidelidade e eficiência os recados das urnas, mas me cabe constatar que os clamores por bons administradores e por renovação ficaram marcados.

A democracia é assim, os partidos se articulam, os nomes são lançados, os eleitores se posicionam e por vezes se reposicionam, até que as urnas se fecham, e a apuração traduz os anseios da população, revertidos em votos, de confiança, de esperança ou de protesto.

Esse jogo eleitoral é imprevisível, relembrando Magalhães Pinto, “a política é como a nuvem”, diria que as eleições também o são. As reviravoltas entre calmarias e turbulências podem colocar em xeque qualquer favoritismo, assim como podem colocar desconstruir pesquisas eleitorais, discursos moldados por marqueteiros e as análises feitas pelos cientistas políticos.

Acho que a eleição é como uma aposta, com o risco de contingência entre as promessas do candidato e as ações do administrador público, isso, que exigem do político não apenas um bom marqueteiro de campanha, mas também, um excelente gabarito técnico que o permita balizar entre os desafios e governar, como se diz, alargando as paredes do possível, tornando aquilo que é necessário, viável.

As urnas falam, se concordamos ou não com ela, isso depende, mas se elas escolheram pelo certo ou pelo errado, só cabe ao tempo dizer. Aliás, não acho que na política tenha o Bem e o Mal, esse dualismo barato mascara a rica diversidade e complexidade do campo político. Assim como no Direito, a Política é um vértice de um polígono, que pode ser visto a partir de diversos ângulos, de modo que cada um, a seu modo, pode analisar e concluir de maneira diversa dos demais, em resumo, a divergência é a regra, e não a exceção.

O fato é que as eleições municipais são também particulares, em que muito mais do que por partidos, os eleitores se orientam a partir dos candidatos e suas propostas, preocupados com os reflexos que estas terão diretamente na vida e no cotidiano de todos.

No Brasil, as eleições são disputadas olhando-se para o pleito posterior, ou seja, os caciques políticos dos diversos partidos, montam estratégias, planejam, sobem em palanques Brasil à fora, acompanham e participam das eleições municipais, com os olhos e um dos pés, voltados para as eleições majoritárias que ocorrem dois anos depois.

A democracia é um jogo contingente, nunca se sabe se a população acertou ou errou nas escolhas que tomou, e esse juízo de valor só cabe aqueles que no futuro olharão para trás, aliás, me lembro de um professor de História que não gostava quando os alunos vinham com um “e se,…” pois, segundo ele, à História não cabe fazer especulações, e sim análises isentas, frias e concretas sobre o que já passou.

Vitórias, derrotas, reviravoltas, aflição e ansiedade são sentimentos que acompanham aqueles que convivem com a política. Com acertos e erros faz-se a democracia, cabe-nos consolidarmos os acertos e repararmos os erros, e a partir disso, reafirmo a necessidade de reformarmos o sistema político-eleitoral e de revigorarmos as instituições partidárias. A democracia se expressa nas urnas, mas a política cada vez mais se faz nas redes sociais, este é um processo de transição, de transformação, e nos cabe percebê-lo e acompanhá-lo; a política do século XXI exigirá isso de nós.

Com vitórias e derrotas, gostando ou não dos resultados, só nos cabe acatar a voz da urna, e festejar, pois assim caminha a democracia!




3 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por Paulo Ferreira, em 05/11/2012 às 10:51

Democracia se faz quando a vontade do povo é obedecida pelos governantes sejam eles reis, magos, politicos eleitos, ditadores reeleitos ou tomadores a força. Cumprindo a vontade do povo e informando devidamente a este povo que está cumprindo a sua vontade fica evidente que pode permanecer vitorioso e será vitorioso. Obviamente que o povo paga a conta, mas se caso a vontade do povo não seja obedecida a derrota qualquer que seja o lado será eminente. O povo sozinho não tem condições de gerir, por isso existem os gestores e os quadros do PSDB são os melhores, mas é preciso ouvir e realizar o desejo do povo.

Por erikssom patos, em 03/11/2012 às 22:23

Gustavo, Sei não, mas estou cada vez mais convencido de que nossa democracia e instituições em geral não irão se desenvolver além do que temos hoje em função deste 'sistema político' que temos, que inviabiliza qualquer "boas intenções".

Por erikssom patos, em 03/11/2012 às 23:36

Márcio Thomaz Bastos (site: Implicante) http://vimeo.com/46732826