Justiça

Por Observador Diário, em 19/11/2012 às 11:03  

O que muda com Joaquim Barbosa na presidência do STF? Ele assume na quinta-feira

Tamanho da fonte: a-a+

Começam as avaliações sobre o que vai mudar com o Supremo Tribunal Federal presidido pelo ministro Joaquim Barbosa. Boa parte dos especialistas aponta um choque maior do STF com o Congresso, mas outros dizem também que o peso do cargo pode levar o estilo de Barbosa para o campo maior de acomodador.

Veja a análise da Veja: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/barbosa-poe-stf-em-rota-de-colisao-com-congresso

 




5 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por mario jota, em 21/11/2012 às 08:46

Espero que ele coloque ordem e objetividade, que sejam diretos e retos. Que seja extremamente duro com os poderosos, com todos e, exponha seus pares ao ridículo quando votarem a favor de algum político que os indicaram ao cargo. Se algum ministro se curvar a quem o indicou, deve ser ridicularizado. STF é lugar para homens de verdade e não capachos e covardes.

Por Antonio Durão, em 19/11/2012 às 21:30

Duvido que ele não usasse o voto de minerva para prender os bandidos que Ayres deixou escapar...

Por Luiz Felipe, em 19/11/2012 às 16:13

Que comece por arrumar a sua própria casa, o poder judiciário, e, em seguida, cheio de autoridade moral e legal, ajude a consertar também os demais poderes: legislativo, executivo e, principalmente, o midiático e o enonômico que é o que, de fato, tem aquilo roxo e que faz os demais de gato e sapato.

Por augusto josé sá campello, em 19/11/2012 às 14:22

Boa tarde. Talvez pelo exemplo, seriedade, conhecimento e capacidade de trabalho. O mais ainda me cheira a especulação. Ajscampello

Por Jáder Ribeiro, em 19/11/2012 às 11:12

Para o Judiciário, que já é escorreitamente fiscalizado pelo CNJ, apenas haverá um maior aperto, dado o estilo de Barbosa. Para os demais poderes, resta o receio de que a personalidade de Barbosa ajude a escancarar ainda mais o antro de corrupção em que se meteram, já que o estilo durão do presidente com os corruptos mostra que julgamentos por corrupção podem estar apenas começando no STF.