Cultura

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 03:39  

Chuveiro elétrico do Argento!

Tamanho da fonte: a-a+

Por roberto argento filho argento, em 19/12/2012 às 03:08

@joseantonio400;

Tá todo mundo muuuuito preocupado com sua vidinha pobre, centrada no seu umbigo mal lavado, crente que está abafando.

Mais uma:

o chuveiro Lorenzettii lá de casa, tempos de molequin, tinha, como dados de placa, 1500/2500 W, 110 V; chave seletora Verão/Inverno, igualzin aos mudernin, Verão/Inverno; … só que, os “mudernos”, pra fazerem o mesmo trabalho, utilizam-se de potências muuuuito maiores, algo entre 4000 e 6000 W. Pergunta: é esta a “modernidade” que consome mais energia elétrica para executar o mesmo trabalho?.  É este o “progresso” que me dá menos, me custa mais e sou obrigado a engolir?

Já observou que as “modernas lâmpadas econômicas” são trocadas praticamente com a mesma frequência que as vetustas e antiquadas incandescentes eram trocadas? … e custam 10 vezes mais – paga-se mais por cada vez menos.

—————————————————————————————————————————————————-

Por José Antônio da Conceição, em 19/12/2012

Argento: Sou projetista! Antes de completar 20 anos (1971), projetei instalações elétricas! A potência de um chuveiro era, no máximo, 2500 Watts, alimentados com fio 10 AWG, por onde deveriam circular no máximo 22, 7 ampéres. Era definido na época (conforme a norma técnica) um disjuntor termomagnético de 25 ampéres para cada chuveiro!

Ocorre, que o “conforto” solicitado pelo ser humano dasavisado, desinformado e inconsciente das consequências de seus “inocentes atos” exigiu um banho com “maior vazão de água” e que fosse “super-quente“. Daí, a indústria atendeu! Foda-se a natureza! Foda-se o consumo de energia desnecessário! O importante é ganhar dinheiro e manter a liderança e a competição no tal de “mercado“.

Pensar? Jamais! pensar, só se for para encontrar maneiras de “aumentar o patrimônio”. Preocupar-se com o futuro e com as áreas alagadas pelas represas das hidroelétricas? Prá que? Que benefício isso trará para meu bolso?

ASSIM, CAMINHA A HUMANIDADE, DENTRO DE UM MUNDO QUE RECENTEMENTE RESOLVERAM DENOMINAR DE “MUNDO GLOBALIZADO”

- SEU COMENTÁRIO MERECEU UM POST, ARGENTO!

Assim funciona o mundo! E tem gente que está satisfeitíssima com esse funcionamento!

—————————————————————————————————————————————————-

E agora Argento? Será que vão “pensar”, entender e dizer alguma coisa?

Tomara (quiçá, quisera, desejamos) que NÃO DIGAM BESTEIRA, né?

Post que gerou este post:

http://www.observadorpolitico.com.br/grupos/tecnologia/forum/topic/designers-britanicos-criam-lampada-movida-a-gravidade-1




8 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por augusto josé sá campello, em 22/12/2012 às 12:26

Boa tarde. Não entendo destas coisas. Sempre que posso, passo longe de tomada. Mas tenho uma inteligência "bolsal" ( ou boçal, se vcs quiserem) . Meu bolso começou a doer com as contas de fornecimento de eletricidade. Levei um tempo mas investi em outra velha tecnologia : gás. Em Petrópolis, onde tenho uma modesta casa préfabricada - hoje cedida a minha filha e seu marido, instalei uma linha de biodigestores. O investimento é muito mais barato e durável que a "solução" muderninha" do aquecimento de água por insolação. Iluminação? Já comecei a troca pelas de LED. Fluorescentes ching ling? Quero mais não. A tonitruante e autoritária intervenção (modelo de concentração econômica) no setor de geração de eletricidade talvez seja ràpidamente desmentida. A Light, fornecedora àqual estou atrelado via a legislação caolha em vigor, já avisou que seu aumento de tarifa vai ser de 11 e alguma coisa p0orcento. Resistência? Sim, claro. Meu bolsômetro me alerta e eu trato de fazer o que posso. Ajscampello

Por roberto argento filho argento, em 20/12/2012 às 15:09

Pois é, o Zé esqueceu da questão central - a provocação. "Contei a história. Alguém acreditou nela? Alguém retornou algum questionamento? - infelizmente não. (a Ignorância, grande parte, deve-se à Preguiça - é Voluntária)" - o segredo do chuveiro era a Resistência (aquele bagulho enroladinho que tem dentro) que a indústria não mais fabrica; - o da lâmpada que está acesa desde mil oitocentos e vovô garoto num quartel de bombeiro, lá nos EEUU, também é aquele bagulho enroladinho que não é maconha, nem rocambole; o da Lâmpada à gravidade é a caixa multiplicadora - relojoaria pura. ... amanhã, culpa do Eça, o mundo acaba e as perguntas ficarão sem resposta.

Por roberto argento filho argento, em 20/12/2012 às 15:58

@argento: O chuveiro, "mil novecentos e vovô garoto", de 1500 / 2500 W, recebia a água de uma tubulação vinda direto da caixa, reduzida para 1/2 polegada (hoje ABNT 25 mm, como qualquer moderninho chuveiro, utiliza a mesma Vazão). A pergunta é: Qual a necessidade de aumentar o consumo, hoje, dos 4 / 6 kW, se a Vazão é a mesma ??? (Vazão ou caudal é o volume de determinado fluido que passa por determinada seção de um duto livre ou forçado, por unidade de tempo)

Por roberto argento filho argento, em 20/12/2012 às 18:20

@argento: Já observaram que as “modernas lâmpadas econômicas” são trocadas praticamente com a mesma frequência que as vetustas e antiquadas incandescentes eram trocadas? … e custam 10 vezes mais

Por roberto argento filho argento, em 20/12/2012 às 15:59

@argento: .. amanhã, culpa do Eça, o mundo acaba e as perguntas ficarão sem resposta.

Por Ricardo Froes, em 20/12/2012 às 09:41

Puxa vida! O Argento vai ficar eternamente grato por seu comentário ter "merecido" um post de sua majestade do OP, o imperador Zé Primeiro e Unico (graças a deus é único). E bota presunção nisso. O cara se acha, meretrix partum edere rotula (puta que o pariu de roda)!

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 10:11

@bobjaniak Falou a "VOZ DA SABEDORIA". Ficamos agradecidos pela distinção e pela participação (muito civilizada como sempre!).

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 09:33

Em 1971 eu não sabia nem o que era energia elétrica, ainda mais um chuveiro elétrico, só conhecia uma lampada quando ia numa cidade próxima (cede do município em que era domiciliado), eu só escrevia o "O" quando sentava no chão! Nesta data eu estava no limiar - segundo a legislação de educação da época - da idade que teria que concluir o fundamental (14 anos!). Os meus banhos eram na lata reutilizável de querosene e litro despejado, ou no córrego próximo ao cair da noite. Já existia chuveiro na época de despendurar na corda e colocar água vervida no fogão a lenha e temperada com água fria, era manual o seu controle, unica forma de tomar um banho quente! Isso não é poesia, era uma realidade da zona rural no período. Tudo muito natural. Quem quiser que entre no túnel do tempo e viagem para essa época, eu não quero voltar!