Economia

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 04:07  

Fernando, eu e “O DINHEIRO”, vil metal.

Tamanho da fonte: a-a+

Por fernando f., em 19/12/2012 às 14:03

1-”Deixe-me emitir e controlar o dinheiro de uma nação e não me importarei com quem redige as leis.”
Mayer Amschel (Bauer) Rothschild (mil setecentos e alguma coisa)
2-”Todo aquele que controla o volume de dinheiro de qualquer país é o senhor absoluto de toda a indústria e comércio, e quando percebemos que a totalidade do sistema é facilmente controlada, de uma forma ou de outra, por um punhado de gente poderosa no topo, não precisaremos que nos expliquem como se originam os períodos de inflação e depressão.”
James Garfield presidente americano, 1881.
.
.
**—Se o dinheiro é criado e emprestado com juros , de onde viria mais dinheiro para pagar os juros? se a fonte é uma só?
O que resulta em divida perpétua e controle do devedor, que paga papel pintado com suor e recursos naturais, enquanto puder, depois a crise explode. E há miseria onde deveria haver fartura.

—————————————————————————————————————————————————-

Por José Antônio da Conceição, em 19/12/2012 às 17:55

@fuc123 FALEMOS ENTÃO DOS EFEITOS, Fernando:
Meu amigo Fábio, Físico, colecionador de diplomas de mestrado e doutorado trabalha na Universidade de Toronto e reside no Canadá. Domingo (16/12) passamos mais de 4 horas no skype conversando sobre diversos assuntos.
O Fábio me informou um dado que eu não havia acessado em nenhum lugar: “De 2000 até 2010 o crescimento da economia dos EUA apesar de ter sido pequeno, existiu! Quando se procurou dentro da sociedade Americana “pra onde” tinha ido os resultados deste crescimento, descobriu-se que TODO O RESULTADO concentrou-se no crescimento do patrimônio dos 1% mais ricos da sociedade americana. É como se o crescimento americano de toda uma década NÃO TIVESSE ACONTECIDO para os 99% restantes da população. Parte deles continuou como estava, outra parte empobreceu.

Isso, explica muita coisa: A eleição e reeleição de Barack Obama, o occupy wall street, a bolha financeira que está a destruir as economias do mundo inteiro, americanos morando dentro de seus automóveis… etc… etc…

A intenção do post não é a discussão da Dívida Pública apenas, mas adentrar nos EFEITOS, nos acontecimentos inevitáveis que este instrumento traz para todos os seres humanos do planeta.

É como tenho dito constantemente (sem ser ouvido): É algo acima dos Partidos Políticos, acima dos Governos Soberanos, acima da soberania do povo! É questão ligada às grandes corporações dominadoras, exclusivamente no setor financeiro (capital). Capital é dinheiro acumulado sob as mais diversas formas. Mas dinheiro é DÍVIDA desde a sua criação enquanto papel pintado ou moeda cunhada!

—————————————————————————————————————————————————-

SEU COMENTÁRIO TAMBÉM MERECEU UM POST, Fernando…

Fiquemos atentos, para percerbermos se irão entender…

—————————————————————————————————————————————————-

- Post que gerou este post:

http://www.observadorpolitico.com.br/2012/12/maria-lucia-fattorelli-e-a-divida-publica-brasileira/




53 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por José Antônio da Conceição, em 22/12/2012 às 21:01

"TUDO LHE DAREI SE PROSTRADO ME ADORARES" - Mt 4:9 Carta Filosófica Nº 32 [ http://sites.google.com/site/filosofiapopular/home/cartas-filosoficas/Carta-Filosofica-32 ] É do senhor de todos deste tempo que devo falar com toda a força do meu pesar. Pois quem a ele não se deixa escravizar torna-se escravo de sua falta. De todo modo, por toda parte, todos deste tempo arrendaram a ele sua felicidade e por isso tornaram-se infelizes, ainda que estejam alegres na sua companhia, o que se percebe é que é uma alegria infeliz, pois o seu senhor não os deixa senti-la livremente, está sempre ocupando suas mentes com a prepotência do egoísmo e afligindo seus corações com o veneno da avareza e da soberba; alimento de todo sofrimento. Na ilusão de ser seu senhor tornaram-se seus escravos! Perdem muito por não querer perder nada. E em busca da liberdade puseram-se ao seu serviço, como seus ministros divulgam e obedecem a seus mandamentos contra si e contra todos a favor de seu senhor. Libertaram-no do mundo do caos e ao liberta-lo perderam sua liberdade. Absolveram e espalharam por toda parte todos seus males que superam mil vezes os males de Pandora: de início, o que perdem em si mesmos, é a bondade de seus corações que agora é tomado por todo tipo de maldade. A coragem; dá lugar à temeridade ou a covardia, a temperança; à libertinagem ou a insensibilidade, a humildade; à prodigalidade ou a avareza, no lugar do respeito próprio; nasce toda vulgaridade e vileza, da simplicidade do espírito; toda vaidade ou falsa modéstia, no lugar da gentileza; surge a irascibilidade ou a indiferença, onde havia benevolência; agora habitam o orgulho, a inveja, o tédio e a malevolência. O despeito é o princípio que o faz bater mais forte, a vingança, é o que irriga mais freqüentemente suas veias, a insaciável cobiça; é o que o sacia, e a fraude, a astúcia e a violência; é o que reinam sobre os escombros da verdade e da justiça jaz soterrada pelo esquecimento de sua prática. No convívio com o outro, o que perdem primeiro, é o sentido real da amizade, não a reconhecem mais, não são mais amigos dos seus amigos porque seu senhor não é solidário a ninguém nem mesmo é capaz de solidariedade, pois, desconhece tal sentimento, conhece apenas a ambição. Irmãos se tornam inimigos, maridos e mulheres adversários, filhos se precipitam em antecipar a morte dos pais, reina a desconfiança porque seu senhor não a conhece, conhece apenas a intolerância. Sequer os mortos têm paz, seus cadáveres são cobiçados, seus dentes arrancados, seus órgãos roubados por que o senhor de todos, tudo quer e não conhece senão a ganância. E crianças morrem de inanição e doenças enquanto remédios e alimentos apodrecem pelos quatro cantos do mundo por que seu senhor não se deixa levar pela compaixão. Religiosos fazem de suas religiões cativeiros de honrarias e luxúrias, pedofilias e comércio de murmuras, uma confraria fechada em si mesma como um clube de proteção mútua disposto a tudo, contra todos que dele não pertence para se fazer pródigo contra o mal que quase sempre é tudo aquilo que não é o seu próprio bem. Dizem servir a Deus, mas atrás de seu nome escondem o verdadeiro senhor a que servem, e ele é impiedoso, pois, usa do nome daquele para arrebanhar sem perdão o corpo, o coração, a alma e o espírito de seu rebanho fiel. Se não pode ter os céus, quer o mundo, se não pode ser senhor dos anjos quer ser dos homens. Os amantes entregam seu gozo não mais a amada ou ao amado más, ao senhor de seu prazer que não se apraz com quem ama, pois, o amor é seu rival na guerra pelo domínio dos corações humanos. E todo ato de amar não passa de um trabalho a espera de alguma recompensa que lhe seja proveitosa para si, individualmente. E a palavra? Ah! A palavra, a primeira a curvar-se em reverência ao poder deste senhor que nela nunca crê, pois sabe que ela vem do sentimento e dela provém a verdade. Por isso exige de todos, que a renegue caluniando-a de falsa e preventivamente a condenando por ser suspeita. Em todo e qualquer caso os senhores de todos, não a aceitam sem garantias que lhe permita punir o escravo que não lhe obedecer. E por fim, àqueles que se rebelam contra este senhor e não entrega sua alma e espírito ao seu domínio, toda sorte do abandono, da discriminação e do mau presságio. Vilipendiado será para sempre até a morte lhe libertar deste reino de súcias. Por conta disso todos os escravos que o senhor quer suas almas comprar, sofrem do esvaziamento daquilo que o faz torna-lo um Ser. Até que não tenham mais nada a oferecer a não ser sua própria alma, e aí, seu senhor o abandonará, como faz a todos que dele depende, no reino da sofreguidão, quase sempre desamparado e só, em um leito simples ou luxuoso forrado de jornal ou tafetá, mas, em um leito de morte sem ter quem lhe traga um copo d’água sem lhe desejar que tomasse ao invés, uma dose de vinagre, pois o fim de sua vida miserável será a riqueza da vida miserável dele. E o senhor de todos; o dinheiro continuará reinando soberano no mundo dos homens deste tempo comprando as almas e os espíritos que estiverem à venda e pagando com a guerra de todos contra todos. Março, de 2007 Westerley Santos - Filósofo

Por fernando f., em 22/12/2012 às 21:36

@joseantonio400 gostei da filozofada do cidadão. "Guerra de todos contra todos" em busca do poder, porem conforme profetizado no fim se revelará o filho da iniquidade como chamado na escritura e receberá todo o poder do principe deste mundo. ( o tal messias politico esperado por quem rejeitou o verdadeiro cujo reino não era daki) O cenario os sinais estão se cumprindo.

Por fernando f., em 21/12/2012 às 17:39

vcs ainda vivem e penssam dentro da caixa, oficialmente esta tudo certo tudo dentro da lei, acontece q alei é feita pra isso mesmo, as regras os orgãos fiscalizadores a matrix apresentada é só uma ilusão, as grandes manobras acontecem por traz das cortinas em oculto. A realidade q se apresenta é só distração, os planos da elite que controla o sistema nunca chegam ao publico. O governo, quem é o governo? Apenas um empregado brigando por migalhas de poder. E quem tem o poder? quem reina aki? o capital? Mas o capital é inanimado está a serviço d alguem, o amor ao dinheiro é a raiz de todo mal, e dinheiro é mamom. A frase: "Tudo lhe darei se prostrado me adorares" Mateus 4:9, faz mais sentido pra vcs agora?

Por fernando f., em 22/12/2012 às 20:47

http://sobre2012.blogspot.com.br/2012/04/jogo-inwo-as-ultimas-cartas-estao-se.html

Por fernando f., em 22/12/2012 às 21:08

@fuc123 pesquise sobre a carta inwo brasil

Por erikssom patos, em 21/12/2012 às 02:43

Escrito pelo Jose Antonio: “Se a sua opinião não prevalecer, você cai fora? Você é o dono da verdade? Que atitude é essa? Isso é democrático?” “Não fui ao site do FED. Fui ver a opinião de alguns brasileiros (da PUC São Paulo e UNICAMP) a respeito! Se lhe interessar... leia:” “@patos Patos: Não foi a falta de REGULAMENTAÇÃO que permitiu o crescimento da bolha imobiliária nos EUA e está FUDENDO com todas as outras economias? Você defende a desregulamentação mesmo assim?” “Não existe contradição quando você diz que o empresário não gosta de concorrência, e ao mesmo tempo defende que a única instituição (o Estado) que pode "vigiar" se está havendo concorrência ou não, AUSENTE-SE do sistema e deixe a partida acontecer sem juiz e sem bandeirinhas?” ...................................................................................................................... Em primeiro lugar obrigado pela indicação do artigo, e em segundo lugar quero te dizer que o li ligeiramente, mas quero saber se você também leu! Exatamente na página 337 no segundo parágrafo está escrito com todas as letras sobre a política de expansão de credito por parte do FED a partir da crise das empresas ponto.com em 2000/2002(!) até o fim do primeiro semestre de 2006. Foi exatamente essa interferência do banco central americano para evitar a crise da bolha das ponto.com que ele baixou os juros e injetou dólar diretamente nas contas dos bancos que passou imediatamente a emprestar e esses recursos foram direcionados para o mercado imobiliário que aqueceu com alta da procura. Para você ter uma ideia a taxa básica praticada pelo FED em 2000 estava um pouquinho acima de 6% ao ano, logo depois da crise, em 2003 a taxa de juros desceu para 1%(!), e ficou assim até 2004 quando novamente voltou a súber lentamente até o fim do primeiro semestre de 2006 que encostou nos 7%(!). Se você continuar a observar o volume de créditos ofertados pelos bancos verá que no inicio de 2003 o estoque de créditos estava em 1,2 trilhões de dólares, e no fim do primeiro semestre de 2006 estava acima de 3,5 trilhão de dólares (!) Agora eu pergunto o FED não tinha o controle da situação?! Claro que tinha, sabiam que a expansão do credito poderia causar inflação e que em dado momento tinham que frear a expansão, estava regulamentado o não regulamento dos emrpestimos para espalhar os créditos pela economia pois fazia também parte do plano o pleno emprego, em fim as cautelas foram relaxadas porque sabia que se alguma coisa desse errado o FED era o emprestador de ultima instancia, e só subiram a taxa de juro porque a inflação ameaçou a subir, e foi neste ponto que a previsão falhou, ou seja, não estavam esperando que aquilo acontecesse logo naquele período, ai o credito teve que secar, a bolha estourou, a recessão estava formada. Falar que tudo estava desregulamentado e dizer que o FED estava alheio é um absurdo por parte dos economistas e analistas financeiros, pois o que é regulamentação e desregulamentação neste caso então para eles?! Se interferir numa crise financeira das ponto.com baixando juros e expandindo créditos, depois manter essa expansão e juros baixos, e ao menor sinal de inflação (É obvio que a inflação era a conseqüência mais provável de acontecer, pois estava aumento o volume de moeda caramba (!), ou eram tão inocentes assim (!), se tudo isso não é interferência e regulação da grossa, então tudo isso aconteceu por telepatia ou por milagre divino!

Por erikssom patos, em 21/12/2012 às 12:17

Na mesma linha de raciocínio em que está a alegação de que o FED não tinha o controle da situação pelo fato de deixar o setor financeiro desregulamentado não vinga, pois os aficionados por controle estatal esquecem que o controle estava exatamente no poder de alterar a quantidade de moeda, de alterar a velocidade da alteração, estava no poder de imaginar que a tudo podia prever com antecedência, estava no poder e na crença de que uma instituição bancaria pode prever as ações humanas com precisão... Acontece que nada também é mais fictício do que toda essa crença. É assim que nunca conseguiram evitar outras crises quando vieram, não conseguiram prevê-las com antecedência, e quando vieram clamaram por mais controle, por mais governo, por mais regulação. É sempre assim.

Por erikssom patos, em 21/12/2012 às 02:55

Se não existisse a figura do FED e do estado por trás dele como garantidor por meio do monopólio da emissão da moeda, supondo que a crise das ponto.com fosse a primeira, não teria havido a interferência, a quantidade de dólares não seria alterada para evitar a deflação dos títulos e de toda a economia. A crise das ponto.com teria seguido o seu desfecho natural e logo teria passado, mas não, o governo indiretamente através do seu banco central interferiu injetando moeda no mercado financeiro e com isso provocou a corrida imobiliária, poderia ter sido outro setor da economia. É o que a gente sempre fala e bate na mesma tecla, aumentar a quantidade de moeda em circulação é uma forma de interferência governamental, causa inflação, ou seja, esse aumento artificial no volume de moeda provoca inflação como também provoca um crescimento econômico fictício dando a impressão de que todo mundo está ficando ricos(!), só que a oferta de dinheiro é artificial, a fonte seca, e quando isso acontece vem o tombo, pois o crescimento foi baseado numa expansão crescente de moeda.

Por fernando f., em 20/12/2012 às 16:36

esse é o cara: <iframe width="480" height="360" src="http://www.youtube.com/embed/zsOGZKRVqHQ?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 16:32

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 13:26 Zé é incrível você sendo uma pessoa inteligente que é e ainda não percebeu a mentira que te contaram a esse respeito. Cara desculpe a minha dura franqueza, mas deixa de ser mal informado, acesse você mesmo o site do FED e veja o histórico da base monetária americana e veja com os próprios olhos, a expansão de oferta de dólares no período que antecedeu a bolha, e procure saber o motivo daquela expansão, na época era Alan Greenspan. Fica difícil, você não acompanha o processo econômico nem pelos jornais. Cara, você é inteligente então para de ficar vendo lixo sobre economia, e veja a própria economia e o sistema vigente para poder entender. Estude economia diretamente nos compêndios de economia, acompanhe os jornais apenas para ver o que está na mídia, mas você tem a chance como cidadão ver os dados fornecidos pelos próprios banco centrais e nos meios apropriados para os estudos. Desculpe o desabafo, mas quando eu percebo que estou jogando conversa fora, estou fora ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Se a sua opinião não prevalecer, você cai fora? Você é o dono da verdade? Que atitude é essa? Isso é democrático? Não fui ao site do FED. Fui ver a opinião de alguns brasileiros (da PUC São Paulo e UNICAMP) a respeito! Se lhe interessar... leia: http://www.eco.unicamp.br/docprod/downarq.php?id=3144&tp=a Título do documento PDF: "A atuação do FED antes e depois do estouro da bolha imobiliária: discricionaridade e mandato de Bancos Centrais em contexto de desregulamentação financeira" - São 36 páginas!

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 13:45

Após mais um "Error establishing a database connection", Vou sair. Comprar um Frangão, um Pernil e um Tender para o jantar de Natal em família (amanhã). Muito bom este lado do capitalismo não é mesmo? Desejo que todo brasileiro possa fazer isto que estou indo fazer! (mas sei que muitos -maioria- não poderão e, também sei os porquês)

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 13:46

@joseantonio400 Volto no final da tarde, princípio da noite!

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 13:38

Evidentemente Patos, para entender certas coisas que eu digo é preciso antes retirar de dentro da mente muitas inverdades ditas sobre mim: Não sou a favor da Cuba de Fidel. (porém reclamo a atenção para os bombeiros do 21 de setembro que não possuem "seguro de saúde" nos EUA e foram tratados de graça em Cuba). Não sou a favor do capitalismo de Estado ocorrido na URSS. Não desejo "derrotar" o capitalismo e substitui-lo por "uma coisa qualquer". Desejo apenas domestica-lo, coloca-lo a serviço de todos e não a serviço de uns poucos como é atualmente. Antes de tudo sou democrata! Mas não posso aceitar uma demcracia de araque, onde o cartedor (com todas as catas marcadas) dá ao jogo o rumo que quiser, sobrepujando a soberania do povo! Ser anti-capitalista não é ser "socialista" nos moldes citados acima, nem ser "comunista" no sentido de tirar de quem tem para dar a quem não tem! No meu caso, pode acreditar! Pelos outros anti-capitalistas... eles é que devem dizer!

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 12:39

Então, a julgar pelo que o Eriksson Patos disse (às 12:14) podemos tirar algumas conclusões básicas: - Todos os negócios podem dar certo ou errado, dependendo do faro do dono e da administração correta, EXCETO BANCOS ou INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. - BANCOS foram inventados para "guardar valores com segurança" e agir como intermediário entre aqueles que possuem capital (dinheiro acumulado) e aqueles que precisam de capital. Em outras palavras: Bancos deveriam ser os "financiadores da produção", ou ainda: Bancos deveriam emprestar dinheiro aos empreendedores para possibilitar o fomento da produção de bens e o consequente comércio! - Bancos exigem garantias (não basta talento ou um bom projeto) para financiar alguém! Houve um tempo em que o prórprio imóvel do tomador de empréstimos era oferecido como garantia! - Os calotes foram tantos, que os BANCOS perceberam-se mais parecidos com imobiliárias (compra e venda de imóveis) que com instituição financeira! - Hoje, bancos quase não aceitam imóveis como garantia! Mas ainda financiam automóveis para o consumidor final. O automóvel fica "alienado", ou seja: é do BANCO até que o consumidor pague TUDO. A montadora recebeu, o governo recebeu, a concessionária recebeu. O BANCO quer receber o principal mais os juros! - Apesar de muitos calotes, ninguém DERRUBA um banco! Ele continua crescendo, investindo em ações de empresas sólidas, comprando grandes extensões de terras, comprando participação em tudo quanto é negócio que dá lucro acima da média! Prezado Erikssom Patos: Posso arriscar o palpite, de que se continuar assim, neste ritmo, os BANCOS serão PROPRIETÁRIOS de TUDO em futuro próximo?

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 13:07

@joseantonio400, não serão os proprietários de tudo, sabe porque?! O governo (ESTADO) é o proprietário em ultima instancia, nunca se esqueça de que o estado está acima de tudo, ok?! O que um banco deveria ser, um intermediário de negócios, entre aqueles que tem o dinheiro para emprestar, e aqueles que querem dinheiro para alguma coisa, seja para consumo ou para fazer um empreendimento. Nunca se esqueça de que o dinheiro deveria ser apenas um meio de troca, e que o seu valor jamais deveria ser alterado pelo governo ou um outro agente manipulador a não ser pelo próprio mercado comum e livre. O dinheiro é uma commoditie e como tal não deve sofre alteração em seu volume de forma artificial, o ouro e a prata são exemplos de commoditie naturais que não sofrem alterações em sua quantidade a não ser quando se descobre alguma mina por ai, mas mesmo assim diante do universo econômico são desprezíveis essa alteração, estima se que a oferta de ouro nunca ultrapassou 2% por ano, em media. Uma outra função de um banco seria a de funcionar como um deposito de valores, da sua conta corrente por exemplo. Quando o banco receber o seu dinheiro em sua conta corrente, ele não poderia ser emprestado sem o seu consentimento, para isso você deveria fazer um contrato por tempo determinado (ou indeterminado) numa especie de poupança, ai sim o banco poderia emprestar o seu dinheiro, do contrario ele deveria cobrar apenas uma taxa de armazenagem e administrativa da sua moeda que ficaria lá até você o retirar no todo ou em parte. Se por ventura esse banco viesse praticar a chamada reserva fracionaria - isso ocorria demais no passado antes dos bancos centrais, e até hoje também, só que contam com a proteção dos bancos centrais e para isso deixam uma fatia do principal dos clientes que são as reservas bancarias (compulsórios) - e não tivesse o banco central para protege-lo e os seus correntistas descobrissem que ele estava com essa pratica, isso seria considerado fraude, e logo logo ocorreria a corrida ao tal banco e esse simplesmente quebraria caso não achasse um outro banco que o socorresse. Qualquer negocio embute naturalmente os riscos de lucros e prejuízos, isso depende claramente da capacidade do empreendedor, agora veja bem, se um irresponsável erra nos seus cálculos ou na imprudência, o que toda a sociedade tem que arcar com aquilo? O governo diz que todos tem que pagar a conta, eu não tenho, digo que o governo está errado em forçar a sociedade a socializar os erros de poucos.

Por fernando f., em 20/12/2012 às 16:21

@patos não creio q o estado esteja acima de tudo, a essas alturas o capital comanda o estado elege e cobra favores. A um governo oculto por traz do governo. E muito mais coisas ocultas tbm por traz do detraz.

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 13:43

Tudo bem, você pode chamar isso de anti capitalista, eu chamo de liberdade de errar e pagar pelo erro cometido, ou ter as consequências da imprevisão. Não sou anti capitalista porque defendo o livre mercado, um governo com um estado pequeno, o suficiente para garantir a existência do estado com algumas funções essenciais. Mas, tudo bem se quer me chamar de anti capitalista que chame. Sou defensor da liberdade, principalmente da liberdade econômica. E é por acreditar nesse tipo de liberdade que vejo que um governo não deve obrigar toda a sociedade a pagar por uma coisa que uma duas pessoas cometeram de errado, seja na economia ou em outra coisa qualquer.

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 13:23

@patos Apos Error establishing a database connection, Então, Patos... você é anti-capitalista SIM! Defende o mesmo que nós: Que o GRANDE não seja protegido em detrimento do pequeno que não tem nenhuma proteção! Que os prejuizos causados pelos GRANDES não sejam socializados por todos (principalmente os pequenos). É só questão de semântica: Ser ou não ser! To be or not to be! Você não quer ser, não tem o desejo de ser... mas você é!

Por fernando f., em 20/12/2012 às 12:48

@joseantonio400 ta aí mais um objetivo do sistema, ser dono de tudo inclusive do povo.

Por fernando f., em 20/12/2012 às 12:18

<iframe width="640" height="360" src="http://www.youtube.com/embed/xaglF9jhZLs?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 12:06

Penso eu, que é chegada a hora de o Eriksson Patos dizer: Tá bom! Sou capitalista, mas entendo que o capitalismo praticado em todas as nações do mundo, é praticado de maneira errada! Entendo seus efeitos nocivos! Já senti e ainda sinto estes efitos na pele! Por isso entendo as reclamações daqueles que se dizem anti-capitalistas... resumindo: no mundo atual, no tempo atual, por consequência, EU TAMBÉM ESTOU DO LADO DOS ANTI-CAPITALISTAS! Só não quero ser chamado DIRETAMENTE de anti-capitalista! Ou será que eu estou enganado?

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 12:45

Completando mais ou menos, O estado é um dos grandes paradoxos de nossos tempos, porque apesar de ser necessário a sua organização e existência, ele tem se tornado o grande problema das sociedades modernas, mais ainda dos grupos sociais mais pobres, que justamente usam em seus discursos. Os mecanismos utilizados pelo estado moderno distorcem o processo econômico de interação econômica espontânea que existe entre os seres humanos desde que o homem saiu da caverna e passou a fixar se na agricultura e no pastoreio. Hoje a ideia amplamente aceita e desejada é que o estado é que pode criar as condições de progresso do ser humano, das sociedades, etc... Ninguém mais acredita na força pessoal, do individuo. O estado existe para resolver tudo. Os próprios anti capitalistas que acreditam piamente de que podem criar sistemas superiores ao capitalismo (falo de um capitalismo de laissez fire) não se dão conta de que desejam mais ESTADO ainda sem perceberem, pois não se dão conta de que para impor alguma ideia é necessário a força. Não percebem que para conquistar a confiança do ser humano e faze-lo cooperar espontaneamente é necessário permitir que o seu egoismo e interesse própria deva ser exercido por ele de forma livre. Se essa natureza for tolhida ai fica perdido a cooperação espontânea e será empregado a força para impor um sistema que force a sua funcionalidade.

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 12:23

Zé, está enganado sim. Eu não sou anti capitalista, sou capitalista por natureza. Uma coisa é necessário ser entendida também, falta liberdade, falta concorrência, falta o estado retirar dos negócios, deixar as pessoas, qualquer uma, negociar livremente. Você ainda não sacou uma coisa muito simples e que o processo histórico mostra claramente, que é, empresas não gostam de concorrência, empresario não gosta de concorrência, mas sabem muito bem que se ficarem sem a proteção de uma lei qualquer que reza lá que a coisa deve ser assim e assado, e não pode isso, e não pode aquilo, ai meu caro, o estado vira instrumento do capitalismo, mas aí isso já não é mais capitalismo, é socialismo capitalista tendo no estado o grande empresario, onde os demais seus gerentes. Pergunta para um grande empresario que investiu nos portos, no setor aéreo, no de rodovias, no petróleo, no de telecomunicações, se eles querem que o estado se retire completamente do setor, que desregulamente, que o estado se retire completamente e deixe que as coisas fiquem franqueadas livremente para qualquer um trabalhar no setor, inclusive estrangeiros(!) Vão te inventar um montão de mentiras, vão encher a sua cabeça, vão ser até esquerdistas, vão vender a mãe deles se preciso que uma coisa dessas nunca aconteça um dia.

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 13:26

Zé é incrível você sendo uma pessoa inteligente que é e ainda não percebeu a mentira que te contaram a esse respeito. Cara desculpe a minha dura franqueza, mas deixa de ser mal informado, acesse você mesmo o site do FED e veja o histórico da base monetária americana e veja com os próprios olhos, a expansão de oferta de dólares no período que antecedeu a bolha, e procure saber o motivo daquela expansão, na época era Alan Greenspan. Fica difícil, você não acompanha o processo econômico nem pelos jornais. Cara, você é inteligente então para de ficar vendo lixo sobre economia, e veja a própria economia e o sistema vigente para poder entender. Estude economia diretamente nos compêndios de economia, acompanhe os jornais apenas para ver o que está na mídia, mas você tem a chance como cidadão ver os dados fornecidos pelos próprios banco centrais e nos meios apropriados para os estudos. Desculpe o desabafo, mas quando eu percebo que estou jogando conversa fora, estou fora.

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 12:48

@patos Patos: Não foi a falta de REGULAMENTAÇÃO que permitiu o crescimento da bolha imobiliária nos EUA e está FUDENDO com todas as outras economias? Voce defende a desregulamentação mesmo assim? Não existe contradição quando você diz que o empresário não gosta de concorrência, e ao mesmo tempo defende que a única instituição (o Estado) que pode "vigiar" se está havendo concorrência ou não, AUSENTE-SE do sistema e deixe a partida acontecer sem juiz e sem bandeirinhas?

Por fernando f., em 20/12/2012 às 12:20

@joseantonio400 pior é q o capitalismo, não capitalismo , capetalismo, socialismo e qualquer ismo q se queira inventar não pode resolver coisa alguma.

Por fernando f., em 20/12/2012 às 11:55

os recursos naturais são finitos, a questão não é imprimir dinheiro e fazer farra. uma hora tudo isso entrará em colapso.

Por fernando f., em 20/12/2012 às 11:51

cada ves menos pessoas produzem coisas uteis e mais vivem de especulação monetaria nas costas dos outros .... o que isto causa na sociedade em medio e longo prazo pode ser surpeendente.

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 11:36

SOBRE O CONTRÔLE DA MOEDA: Notas de R$ 2,00 - 5,00 - 10,00 - 20,00 - 50,00 e 100,00 e suas moedas fracionárias (para facilitar o troco) são controladas! Emite-se ou recolhe-se via bancos! Mantém-se a "contabilidade" disso! Acontece, que existe um outro tipo de moeda: Moeda contábil (dinheiro criado do nada pelos bancos). São apenas números de crédito e débito numa conta-corrente! Acontece, que existe um montão de outros tipos de moeda: Títulos, ações, derivatitivos etc... etc... Apenas o Estado, os bancos e as Empresas s/a podem emitir estes papéis! Então fica assim: Uma Casa da Moeda Oficial e um montão de "outras" casas da moeda! O que querem? Comprar mão de obra barata (trabalho) e vender produtos e serviços! Onde, como, de que maneira "conseguir" o EQUILÍBRIO desta parafernália toda? É um jogo! Sem empate! Sempre haverá um ganhador e um perdedor! Advinha quem é o perdedor?

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 12:14

@joseantonio400, Aqui chegamos numa parte mui importante e de ordem pratica. Podemos tirar ensinamentos básicos e essencial para o nosso entendimento sobre a questão monetária e a economia. Percebemos claramente que o processo econômico é algo real e natural entre as pessoas, sejam numa comunidade local ou distante de nós, percebemos também que devido a complexidade das transações econômicas que realizamos uns com os outros necessitamos de um meio de troca que facilite essas transações. Esse meio é a moeda, seja ela de curso forçado ou livre, mas sempre é alguma coisa que representa um determinado valor e que serve de parâmetro de troca. Até ai tudo bem todos nós entendemos a necessidade do dinheiro. O problema começa é quando grupos sociais considerados mais fortes e espertos acham no direito e correto de se apossar do controle desse meio de troca. Para isso surgem intelectuais que apoiam essa ideia, então surge o monopólio da moeda, e com esse o poder de distorcer o seu valor através da alteração de sua quantidade. A sociedade não tem poder nenhum sobre esse monopólio de estado e de grupos que se associam com o estado. Dai surgem verdadeiros sistemas legais de controle e manipulação via leis complexas e de difíceis acesso pelo publico em geral. Os agentes privados do sistema financeiro pela previsão legal podem criar dinheiro sob as mais diversas formas, como foi dito ai, escritural, como títulos que representam algum tipo de ativo real do mundo real. Enquanto isso a parte da base que é chamada base monetária, que é a parte mais liquida da economia, onde está o meio de troca mais comum que serve para toda a sociedade, a moeda. Essa passa a representar uma pequena fração da quantidade enorme de dinheiro que foi e é criada para representar a economia real, os títulos os mais variados. Ao fazer isso, o sistema é criado com a ideia de garantir toda essa criação escritural conferida as instituições do sistema financeiro (os bancos, sejam oficiais ou privados) sob a responsabilidade de um banco central que fica no topo e que fiscaliza e garante a segurança do sistema, para isso é criada uma intrincada rede de seguradoras do sistema, mas nem sempre isso ocorre, basta mesmo em ultima instancia o banco central ser o avalista de tudo isso. Se alguma coisa der errado em algum lugar do sistema o banco central vai lé e saneia a coisa. Essa ideia de que o banco central é a garantia do sistema, e em ultima instancia, ai vem o DIABO sistema(!) o governo (Governo = o Deus do sistema) é que as partes, ou os agentes do sistema financeiro na sua maioria agem com irresponsabilidade, pois sabem que o BC não deixa a peteca cair, pois está ali para garantir. É esse o grande mal e paradoxo, de que o estado deve socializar os prejuízos, enquanto que os benefícios são privados de poucos. O efeito é o contrario do que é pregado para os súditos. Pergunte algum banqueiro se ele quer abrir um banco sem que haja um banco central por perto para lhe garantir, faça isso.

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 11:20

Zé e fernando, já viram a nossa historia recente de controle de preços e o descontrole monetário de um governo? Plano Cruzado Fiscais do Sarney.flv Jornal Nacional: 01/03/1986 Omar Marczynski,o mais famoso dos fiscais do Sarney. Depois de verem todo esse circo de um governo gastador vá ao site do banco central e consulte seus arquivos históricos da base monetária e vejam com os próprios olhos o que o governo estava fazendo, fraudando o valor da moeda, pois o Sarney via o sistema financeiro nacional não parou um dia se quer de emitir moeda sem lastro para cobrir o deficit publico, meus queridos(!) Eu dou um pirulito para quem me disser de quanto foi o aumento da base monetária (moeda em poder do publico + das reservas bancarias) neste período de março de 1986 a dezembro de 1986!!!

Por fernando f., em 20/12/2012 às 11:30

@patos quanto mais moeda sem lastro menos valor terá poucos recursos naturais valerão pilhas de dinheiro quando estes forem escassos.

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 11:42

@fuc123, essa é a fraude governamental que precisamos saber meu caro. O governo frauda o valor da moeda emitindo a sem lastro para fazer suas politicas monetárias e politicagens para permanecer no poder. Um banco central controla todo o sistema bancário, e para isso ele cria o cartel e permite a PRATICA DA RESERVA FRACIONARIA, que é a criação do dinheiro sem lastro ou do nada! O fiat lux da criação! Pergunte a qualquer governo se querem ficar sem o seu banco central?! Você acha que qual politico abre mão disse poder de Deus, de criar a riqueza do nada! Até eu queria uma maquina de fazer o dinheiro e o poder de não deixar mais ninguém também ter a sua!

Por fernando f., em 20/12/2012 às 11:39

@fuc123 por isso a inflação e o tantos cortes de zeros. Olha eu não entendo de economia, mas percebo q o povo é escravo do dinheiro e quem controla o dinheiro escravisa o povo. Agora numeros e detalhes tecnicos não é comigo. Sei q isto estava inclusive profetizado que nos tempos do fim as coisas seriam escassas e teriam valor absurdo devido a essa manobra monetaria q suga cada ves mais de quem trabalha e engorda quem controla.

Por José Antônio da Conceição, em 20/12/2012 às 11:15

Pula esta etapa dos fiscais do Sarney! Eu vivi estes tempos! Bois foram "confiscados" no pasto por causa do "preço congelado" da carne estar abaixo do preço real! Faltava carne para o povo, mas não faltava carne (comprada com ágio) nos restaurantes! Depois o governo teve que indenizar os donos dos bois! Houve desabastecimento! Um mês antes, as maquininhas de trocar a etiqueta dos preços no supermercados funcionavam com a loja aberta! Os preços de um mesmo produto, subiam 3 ou 4 vezes por dia! O salário, tinha que ser gasto no mesmo dia do recebimento, senão compraria muito menos no dia seguinte! Não preciso ver os vídeos, porque assisti ao vivo e participando! Na época, a melhor notícia por aqui veio da Bolívia! Uma engenheira comprara um envelope com alguns comprimidos de aspirina, pelo mesmo preço do jepp Toyota zero Km que ela comprara há um ano atrás! Hiperinflação é o nome disso! Caos total!

Por erikssom patos, em 20/12/2012 às 11:27

@joseantonio400, não pode pular não, pois você conhece a historia, mas talvez quem está lendo o seu tópico e a nossa discussão ainda não atinou para isso, para isso é que serve a liberdade da internet, trocar ideias e informações esparsas por ai! Eu aprendo muito com os outros, assim como também contribuo com alguma coisa. É vendo esses fatos passados é que podemos ver algo semelhante no presente ou a historia se repetindo, ou ainda vermos que o passado recente pode ser esquecido facilmente pelas mesmas cabeças pensantes do presente que viveram naquele período e talvez não aprenderam nada com os erros...

carregar mais voltar ao topo