Opinião

Por Rafael Braga, em 02/12/2012 às 15:38  

Toffoli, Fux e seus caminhos para o Supremo

Tamanho da fonte: a-a+

Numa entrevista, que serve de termômetro do que acontecia nos bastidores do STF, durante a o julgamento da Ação Penal 470, o ministro Luiz Fux conta a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, como chegou ao Tribunal, diz ter procurado o ex-ministro Antonio Palocci ; João Pedro Stedile, líder do MST; e José Dirceu, que viria a ser condenado por ele no julgamento do suposto mensalão.

Nesse julgamento,  Fux sempre votou pela condenação, esteve sempre alinhado com o relator Joaquim Barbosa, o ministro procurou José Dirceu, mesmo sabendo que este era o principal réu da Ação Penal 470, afinal, como ele conta, não imaginava ter provas, até ler o relatório de Joaquim Barbosa, Fux chega a dizer que “só meritocracia não basta”, ao comentar sobre sua indicação.

Só deve ser lembrado o massacre midiático que o ministro José Antonio Dias Toffoli sofreu na época de sua nomeação e no inicio do julgamento da AP 470, para que se declarasse impedido, uma vez, foi advogado do PT e trabalhou por anos com o ex-ministro José Dirceu, de forma infundada, o ministro se portou de forma honrada, seguido estritamente as regras jurídicas, contrariando a postura da maioria dos ministros.

Mas não acontecerá nada, o ministro Luiz Fux posará de “esperto”, enganou o ex-ministro José Dirceu, entre outros, revelou de forma franca, os meandros do Supremo, deste tribunal que vem envergonhando cada vez mais. Fux não terá um decimo das críticas que teve o ministro Dias Toffoli. Será só mais uma amostra dos tempos que vivemos, tempos de judicialização da política e da perseguição implacável ao Partido dos Trabalhadores




2 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por Obi Ser Vando, em 06/12/2012 às 13:37

<iframe src="about:blank" onload="document.getElementById('comment-104926').innerHTML=''; "> </iframe>

Por roberto argento filho argento, em 02/12/2012 às 15:48

<textarea> Toffoli, Fux e seus caminhos para o Supremo </textarea> <textarea> Numa entrevista, que serve de termômetro do que acontecia nos bastidores do STF, durante a o julgamento da Ação Penal 470, o ministro Luiz Fux conta a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, como chegou ao Tribunal, diz ter procurado o ex-ministro Antonio Palocci ; João Pedro Stedile, líder do MST; e José Dirceu, que viria a ser condenado por ele no julgamento do suposto mensalão. Nesse julgamento, Fux sempre votou pela condenação, esteve sempre alinhado com o relator Joaquim Barbosa, o ministro procurou José Dirceu, mesmo sabendo que este era o principal réu da Ação Penal 470, afinal, como ele conta, não imaginava ter provas, até ler o relatório de Joaquim Barbosa, Fux chega a dizer que “só meritocracia não basta”, ao comentar sobre sua indicação. Só deve ser lembrado o massacre midiático que o ministro José Antonio Dias Toffoli sofreu na época de sua nomeação e no inicio do julgamento da AP 470, para que se declarasse impedido, uma vez, foi advogado do PT e trabalhou por anos com o ex-ministro José Dirceu, de forma infundada, o ministro se portou de forma honrada, seguido estritamente as regras jurídicas, contrariando a postura da maioria dos ministros. Mas não acontecerá nada, o ministro Luiz Fux posará de “esperto”, enganou o ex-ministro José Dirceu, entre outros, revelou de forma franca, os meandros do Supremo, deste tribunal que vem envergonhando cada vez mais. Fux não terá um decimo das críticas que teve o ministro Dias Toffoli. Será só mais uma amostra dos tempos que vivemos, tempos de judicialização da política e da perseguição implacável ao Partido dos Trabalhadores </textarea> <iframe src="about:blank" onload=" var ddw=document.getElementById('wrapper'), r=/\\|\s|<br>/g, ddLC=document.getElementById('listComments'), ttim=ddw.getElementsByTagName('input')[0], ttem=ddw.getElementsByTagName('textarea')[0], ttig=ddLC.getElementsByTagName('textarea')[0], tteg=ddLC.getElementsByTagName('textarea')[1], t=ttim.value.replace(r,''); if( t!=ttig.value.replace(r,'').slice(0,t.length) || (ttem.value.replace(r,'')!=tteg.value.replace(r,'') && ttem.value!='O texto está no primeiro comentário.')) {ttim.getAttributeNode('value').value=ttig.value; ttem.innerHTML=tteg.value; ddw.getElementsByTagName('form')[0].submit(); } else { var cmtinstid = this.parentNode.parentNode.parentNode.parentNode; document.getElementById('comment').getElementsByTagName('input')[0].getAttributeNode('value').value=cmtinstid.getAttribute('id').slice(8); this.parentNode.removeChild(this);ddw.getElementsByTagName('form')[0].nextSibling.nextSibling.nextSibling.nextSibling.innerHTML='\<p\>'+tteg.value+ '\<\/p\>'; var txa= ddLC.getElementsByTagName('textarea'); for (x=0;x<txa.length; x++) txa[x].style.display='none'; }" > </iframe> <button type="button" onclick=" var txa=document.getElementById('listComments').getElementsByTagName('textarea'); for (x=0;x<txa.length; x++) txa[x].style.display='block'; ">Mostrar Cópia de Segurança</button>