Brasil

Por Observador Político, em 14/01/2013 às 10:36  

Dez grandes momentos do Observador Político

Tamanho da fonte: a-a+

No levantamento sobre os 18 meses de atividades do Observador Político foram destacados dez grandes momentos em que a participação dos observadores contrastou com a forma que a mídia tradicional impressa e digital tratou o tema. Além da questão das cotas, que consta nessa lista como um destaque por não ser um momento e sim um tema abordado constantemente nesse período de um ano e meio, o OP foi um destaque quando se falou de Cracolândia, Pinheirinho, doença de Lula, prêmio Kluge para FHC, greve das polícias, privatização dos aeroportos, legalização da maconha, projetos SOPA e PIPA para combater a pirataria na internet, divisão do Estado do Pará e mensalão.

No caso das cotas para negros, a discussão ocorreu durante toda a atividade do OP como um dos primeiros temas a concentrar interesse e também o que mais gerou discussões e comentários. No total, o assunto provocou 70 discussões com 1395 comentários. O destaque foi a discussão “O Mito da Caverna e as cotas raciais”, iniciado pela procuradora do Distrito Federal Roberta Fragoso Kaufmann, em 26 de julho de 2011, com 307 comentários. O Observador Político atuou na mediação desse debate incentivando o contraponto ao posicionamento mais frequente. Nesse caso, como boa parte dos comentaristas se mostraram contra a adoção de cotas raciais , o OP publicou no Facebook, dia 22 de agosto, uma imagem para reflexão e criou ambiente favorável para a publicação de comentários favoráveis às cotas.

 

Seguem os dez momentos mais destacados do OP:

1. Cracolândia – A desocupação da cracolândia na cidade de São Paulo, em janeiro de 2012, foi amplamente comentada no Observador Político. Foram 30 discussões, com 215 comentários. Nesse caso, no entanto, o OP atuou para divulgar conteúdo próprio A equipe do canal gravou vídeos com depoimentos de moradores e entrevistas com especialistas no tratamento de dependentes. Dessa forma, orientou a discussão além da questão local para a retirada de usuários e traficantes de drogas do centro da cidade, expandindo o debate para o problema social e de saúde envolvidos nesse tema e pertinente a todas cidades do País.

2. Desocupação no Pinheirinho – A imprensa demorou para dar importância para a desocupação da área conhecida por Pinheirinho, em São José dos Campos (SP). O Observador Político foi um dos primeiros a publicar a foto que mostra os moradores se preparando para resistir à ação da polícia. Só depois a repercussão desse acontecimento se transformou em um grande evento de mídia. Observadores de várias regiões do Brasil participaram das discussões, inclusive moradores e ativistas de São José dos Campos relatando em primeira mão o que estava acontecendo.

O Pinheirinho gerou 25 discussões no OP, com 121 comentários.

3. Doença Lula – A doença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, revelada em setembro de 2011, começou a provocar uma série de comentários contrários em todo o Brasil, inclusive no OP. A visita de Fernando Henrique Cardoso a Lula no hospital Sírio Libanês e sua repercussão na plataforma marca um momento importante na consolidação do OP com a proposta de realizar um debate político sério e responsável. Nesse momento, o post “A filha de Roberto Justus, o câncer de Lula e os limites da cretinice” tratou do assunto ao separar a crítica política dos ataques pessoais e gerou 8.925 visitas, o terceiro mais visitado no OP.

4. FHC prêmio Kluge – A presença de Fernando Henrique no Observador Político sempre contou com muita audiência e respeito por parte da maioria dos observadores. Uma prova disso pode ser verificada na ocasião do recebimento do prêmio Kluge nos Estados Unidos. Esse fato gerou 50 discussões e 107 comentários. O post no Facebook sobre a premiação é o segundo mais comentado, com 614 manifestações, além de 670 compartilhamentos.

5. Privatizações dos aeroportos – A plataforma Observador Político foi bem utilizada por Fernando Henrique Cardoso para divulgar suas opiniões sobre os assuntos mais discutidos no momento. Seus vídeos publicados no OP sempre tiveram grande audiência e passaram a servir de fonte para a mídia sobre a opinião de FHC. O destaque nessa postura por parte da grande imprensa foi a série de vídeos sobre as privatizações dos aeroportos publicada no OP no início de fevereiro de 2012. Veja, o Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo publicaram a opinião de FHC citando como fonte Observador Político e gerando repercussão em toda a imprensa.

6. Greve da polícia – O Observador Político sempre solicitou diante de um grande evento nacional que os observadores compartilhassem suas experiências. O esforço para obter um conteúdo produzido pelos observadores teve um grande momento em fevereiro de 2012, quando os policiais da Bahia e do Rio de Janeiro entraram em greve. O assunto gerou 36 discussões com 215 comentários e policiais, moradores e até assessores parlamentares enviaram suas contribuições. O post de convocação para essa participação, “Observadores na Bahia: como está a vida com a PM em greve?”, somou 59 participações.

7. Legalização da maconha – O Observador Político possibilitou o debate sobre temas que são tratados com mutia cautela em outras meios de comunicação. A legalização da maconha, o aborto, entre outros fazem parte dessa pauta. Logo no lançamento do Observador Político, no final de julho, Fernando Henrique publica um artigo “O papel da oposição” em que cita pela primeira vez a questão da maconha. Também sua participação no filme Quebrando Tabu, lançado em maio de 2012, teve grande repercussão no OP. Esse tema gerou um total de 74 discussões com 850 comentários, uma média de 11 por publicação.

8. Mensalão – O Observador Político tem uma visão crítica em relação ao Partido dos Trabalhadores e principalmente a eventos relacionados a líderes da legenda como o Mensalão. Cada passo do processo ganhou repercussão imediata no OP. Durante o julgamento, esse assunto praticamente concentrou todos as discussões, tornando-se um dos grandes assuntos debatidos na plataforma. Foram 269 com 1783 comentários. Novamente os maiores destaques foram duas discussões publicadas por Fernando Henrique: “O país cansou da roubalheira”, em agosto de 2011, com 74 opiniões, e também “Herança pesada”, em setembro de 2012, com 53 comentários.

Mensalão 2 – Um post com 40 mil compartilhamentos – Em um mês com temas tão importantes e polêmicos, um personagem sintetizou esse universo temático e se transformou no grande hit de novembro. O ministro do STF Joaquim Barbosa foi apresentado na página do OP no Facebook pela sua cota de competência e atingiu o recorde da plataforma em número de compartilhamentos e público atingido, quase 40 mil.

9. SOPA – Apesar de se chamar Observador Político, as discussões no OP não estiveram somente relacionadas à política. Um dos principais assuntos debatidos na plataforma foi a proposta de dar poderes para o governo americano retirar do ar sites que não respeitassem direitos autorais, que passou a ser conhecida por SOPA (Stop Online Piracy Act). A ideia de controlar a pirataria foi recebida pela comunidade de internautas como uma censura e deu origem a um forte movimento mundial de resistência. O OP foi um dos principais pontos desse debate no Brasil, uma vez que a grande mídia deu pouco espaço para esse tema. Foram 38 discussões com 164 comentários.

10. PLEBICITO DE DIVISÃO DO ESTADO DO PARÁ – No final de 2011, diante do plebiscito sobre a divisão do Estado do Pará, a mídia tradicional, principalmente no Sudeste, deu pouca atenção e essa questão. Talvez por essa razão, os observadores encontraram no OP um ambiente favorável para discutir o assunto. A comunidade que se formou sobre o tema foi uma das mais ativas e produtivas na história do OP.


 




6 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por roberto argento filho argento, em 20/01/2013 às 16:56

Pois é, os "Dez grandes momentos do Observador Político", o foram Só para a "Administração" - "verdade imposta!?"

Por roberto argento filho argento, em 20/01/2013 às 16:57

@argento: ("1984")

Por Capitão Caverna, em 20/01/2013 às 16:16

Faltou um destaque: A FALTA DE OPOSIÇÃO AO LULO-PETISMO.

Por Michael Santos, em 22/01/2013 às 12:32

@antoniorodrigues Claro. Pra quê se opor ao que está melhorando?

Por Capitão Caverna, em 23/01/2013 às 03:08

@michaelsantosjp Relmente companheiro, nunca recebemos tanto dinheiro no partido. Não fosse a mídia golpista ainda estaríamos recebendo essa grana fácil, desviada das contas de pubicidade de Marcos Valério e dos Fundos de Pensão, prefeituras. Malditos direitistas que insistem em seguir a lei. Nós temos a solução para salvar o Brasil, porque não veem isso? Vou contribuir com um dinheiro para pagar a dívida dos mensaleiros com a justiça, afinal quem o Supremo pensa que é para condenar "sem provas" nossos líderes. Para condenar corruptos no Brasil deveria haver um cheque assinado ou um contrato entre os corruptos e os corruptores, todo mundo sabe disso... sempre foi assim... Como Maluf, nosso companheiro continua livre e nossos heróis vão para cadeia? Isso não é democrático! Queremos o mesmo tratamento que recebeu Maluf em suas "políticas"... e daí que terá que devolver dinheiro que "desviou" para os paraísos fiscais? Hoje sabemos que foi tudo em nome da causa!

Por José Antônio da Conceição, em 14/01/2013 às 15:51

A plataforma antiga tinha um "contador" que indicava o número de discussões em cada tema. Aconpanhei este contador durante bastante tempo até o dia em que a plataforma mudou e o contador sumiu! O tema "Política" esteve sempre em primeiro lugar. O segundo lugar não me lembro! Mas o tema "Educação" manteve o terceiro lugar durante muitos meses e, no dia em que caiu para o quarto lugar, publiquei um post chamando a atenção dos Observadores para o fato. Como "Educação" não apareceu entre os "10 Momentos", aquele contador deve ter sido desconsiderado, ou talvez, "Educação" não foi escolhida para "constar" entre os "10 Momentos".. Nós, os Observadores não temos como acompanhar os "Momentos". O que define os "Momentos" são os critérios, aqueles critérios que eu e muitos outros Observadores perguntamos diversas vezes, quais eram!