Opinião

Por José Antônio da Conceição, em 11/02/2013 às 01:26  

Carnaval – Episódio III – Domingo

Tamanho da fonte: a-a+




5 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por Papa Tango, em 11/02/2013 às 01:50

Bater punheta também é bom. Diógenes já se lamentava em não poder matar a fome massageando a barriga. Já que Helens Roches e Vivianes Araújos não estão disponíveis para nós, os pobres mortais, então o jeito é satisfazer a fome de alguma outra forma.

Por Jáder Ribeiro, em 11/02/2013 às 13:51

@papatango que tal um filme com a Bruna Ferraz?

Por Papa Tango, em 11/02/2013 às 14:00

@jader A idéia é essa. Sobre a frase do Diógenes, o cínico, achei muito interessante quando a ví pela primeira vez. Pode ser mentira, mas é atribuída a ele. Dizem que uma vez encontrado sujo e jogado pelas escadarias foi-lhe perguntado como lidava com a falta de mulheres. Diógenes então disse que não era problema e se lamentava por não poder matar a fome do mesmo modo, esfregando a barriga.

Por Ricardo Froes, em 11/02/2013 às 09:44

@papatango Quem disse isso? Pagando tem pra quem quiser...

Por Papa Tango, em 11/02/2013 às 13:55

@bobjaniak Essas musas do carnaval podem até fazer por dinheiro (na prática é o que fazem, escolhem os mais ricos) mas devem cobrar no mínimo uns 10 mil reais. Daí fica o ditado: "quem tem dinheiro come, quem não tem bate punheta". Eu nunca me lamentei por ser pobre, não andar de Ferrari e não ter uma mansão em Niterói. Mas quando vejo um Zé Mané (ou Dr. José Manuel, já que fazem parte da elite) com pinta de veado abraçando essas gostosas como se fosse a mais nova obra de arte adquirida para sua coleção e ver essas vadias sorrindo para a câmera como se amassem realmente o dito cujo, lamento realmente que as minhas gerações passadas não tivessem o peito de explorar o próximo para me garantir um berço de ouro. Fazer o que?!