Opinião

Por Observador Político, em 07/02/2013 às 10:24  

OP reúne diferentes ideologias para o debate, diz Leão Serva

Tamanho da fonte: a-a+

A internet ocupa um novo espaço para se debater política e o Observador Político contribui para isso, afirma o jornalista Leão Serva, editor do blog Se o Povo Soubesse. Para ele, o OP criou um fórum interessante porque aceita a participação de pessoas com ideologias diferentes e o que se discute na plataforma não se limita apenas às opiniões de Fernando Henrique Cardoso. Outro ponto positivo do site é o bom ambiente nos comentários das discussões. “Eu gosto de navegar pelo OP, porque ele impede um mau comportamento. Eu não tenho visto debates mais agressivos, o que é usual na internet”, completa.

O blog “Se o Povo Soubesse” contribuiu mais com artigos opinativos a respeito do comportamento da imprensa em determinados acontecimentos e foi mais ativo antes das eleições do ano passado. “Como eu trabalhei na campanha eleitoral, deixei de participar para não envolver o meu trabalho na eleição com o debate”, explica.

Apesar do bom debate existente na plataforma, Serva entende que a discussão de temas relevantes está empobrecida no Brasil. Todas as questões políticas fundamentais são convergidas para uma briga partidária. “Um exemplo é o debate a respeito do quanto o Poder Público intervém financeiramente nas empresas. Nesse debate, se você expor a sua opinião, já vão falar que você defende a eleição da Dilma ou que você é contra a presidente. Então, o debate fica muito limitado à questão partidária”, conclui.

 




10 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por José Antônio da Conceição, em 07/02/2013 às 12:37

Argento: Aproximadamente um décimo dos 2/5 retornam para o povo em serviços de péssima qualidade! As outras "grandes partes" destinam-se a pagamento de dívida pública que eu não fiz, folha de pagamento de um monte (não todos) de funcionários públicos ineficientes, e claro... alimentar os caixas de campanha, promover as maracutaias e comprar serviços superfaturados daqueles que "financiaram" as campanhas.

Por roberto argento filho argento, em 07/02/2013 às 14:41

@joseantonio400: Tá começando a clarear... ."(...)Apesar do bom debate existente na plataforma, (...) a discussão de temas relevantes está empobrecida no Brasil. Todas as questões políticas fundamentais são convergidas para uma briga partidária. “Um exemplo é o debate a respeito do quanto o Poder Público intervém financeiramente nas empresas. Nesse debate, se você expuser a sua opinião, já vão falar que você defende a eleição da Dilma ou que você é contra a presidente. Então, o debate fica muito limitado à questão partidária”, conclui." Fundeu minha cuca, de novo!.

Por José Antônio da Conceição, em 07/02/2013 às 11:53

***//*** TÍTULO: O 1/5 e os 2/5 dos infernos Durante o Século 18, o Brasil-Colônia pagava um alto tributo para seu colonizador, Portugal. Esse tributo incidia sobre tudo o que fosse produzido em nosso País e correspondia a 20% (ou seja, 1/5) da produção. Essa taxação altíssima e absurda era chamada de "O Quinto". Esse imposto recaía principalmente sobre a nossa produção de ouro. O "Quinto" era tão odiado pelos brasileiros, que, quando se referiam a ele, diziam "O Quinto dos Infernos". E isso virou sinônimo de tudo que é ruim. A Coroa Portuguesa quis, em determinado momento, cobrar os "quintos atrasados" de uma única vez, no episódio conhecido como "Derrama". Isso revoltou a população, gerando o incidente chamado de "Inconfidência Mineira", que teve seu ponto culminante na prisão e julgamento de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário IBPT, a carga tributária brasileira chegou ao final do ano de 2011 a 38% ou praticamente 2/5 (dois quintos) de nossa produção. Ou seja, a carga tributária que nos aflige é praticamente o dobro daquela exigida por Portugal à época da Inconfidência Mineira, o que significa que pagamos hoje literalmente "dois quintos dos infernos" de impostos... Para quê? Para sustentar a corrupção? Os mensaleiros? O Senado com sua legião de "Diretores"? A festa das passagens, o bacanal (literalmente) com o dinheiro público, as comissões e jetons, a farra familiar nos 3 Poderes (Executivo/Legislativo e Judiciário)? Nosso dinheiro é confiscado no dobro do valor do "quinto dos infernos" para sustentar essa corja, que nos custa (já feitas as atualizações) o dobro do que custava toda a Corte Portuguesa! E pensar que Tiradentes foi enforcado porque se insurgiu contra a metade dos impostos que pagamos atualmente...! Não deixem de refletir... estaremos, pelo menos, contribuindo para relembrar parte da História do Brasil... (Recebi via e-mail - sem identificação do autor)

Por roberto argento filho argento, em 07/02/2013 às 12:15

@joseantonio400: Procede!!!

Por roberto argento filho argento, em 07/02/2013 às 12:26

@argento: Procede, 1/5 = 20%; mas a divisão dos Quintos ainda deixa resto assim me resta perguntas: Qual destes dois Quintos retorna ao Meu Bolso? será o "Quinto dos Infernos"?

Por roberto argento filho argento, em 07/02/2013 às 11:44

Destaque-se a afirmação: "Apesar do bom debate existente na plataforma, Serva entende que a discussão de temas relevantes está empobrecida no Brasil. Todas as questões políticas fundamentais são convergidas para uma briga partidária." é este o tal "Fla X Flu"?, e onde fica a tal de "ideologia(s)"?, qual a dominante entre as Ideologias? (mas há perguntas que não ser calam: entre as "ideologias", qual a que defende o Meu Bolso? - sim, porque até agora, entra Ideologia, sai Ideologia, costuro meu bolso e a grana se perde - Por Onde?)

Por José Antônio da Conceição, em 07/02/2013 às 11:50

@argento Seu dinheiro, meu pouco dinheiro, nosso dinheiro, perde-se pelo ralo. Vou postar comentário acima, explicando isso!

Por roberto argento filho argento, em 07/02/2013 às 11:46

@argento: ... será que a cada "Costura" Meu Bolso fica Menor?

Por Ricardo Froes, em 07/02/2013 às 11:12

"Outro ponto positivo do site é o bom ambiente nos comentários das discussões. 'Eu gosto de navegar pelo OP, porque ele impede um mau comportamento. Eu não tenho visto debates mais agressivos, o que é usual na internet'". Já os editores do OP não acham isso, não é Alexandre?...

Por Capitão Caverna, em 07/02/2013 às 10:44

A discussão está empobrecida pois não há oposição ao projeto de poder do lulo-petismo. A questão partidária portanto está superada, em virtude de TODOS os partidos discutirem apenas interesses próprios e condicionados a vantagens imediatas, financeiras e eleitorais. Quem dera tivéssemos realmente discussões partidárias, nas quais ficsssem explícitos os posicionamentos de cada partido nas questões importantes, e que fossem defendidas pelos parlamentares como um compromisso com seus eleitores - reforma política e tributária, impostos, educação, saúde e segurança - enfim... não somos representados! O debate está enfraquecido no Brasil - realmente, mas por falta de representatividade, justamente por falta de um posicionamento verdadeiramente partidário! Cadê a oposição, por exemplo? Quem assume esse posicionamento? Sabemos que não o PSDB... E que mal há em dizer-se contrário ao projeto do governo ou ser contra Dilma abertamente? Lamentável, o interlocutor nos brinda com mais um exemplo de argumentação falaciosa, covarde, oportunista que tem marcado o posicionamento do PSDB e seus integrantes! Muito ilustrativo!