Política

Por Gabriel Rossi, em 05/03/2013 às 12:37  

Boateiros online começam a desenhar agenda política no Brasil

Tamanho da fonte: a-a+

Quem não se lembra do episódio das “ameaças” no Twitter contra a presidente Dilma Rousseff? A boataria online, cuja influência vinha sendo observada intensamente nos últimos anos no universo das celebridades, começa, definitivamente, a desenhar a agenda política brasileira.  O “lado B” da internet pôde ser detectado ainda durante as campanhas políticas, de 2010 e 2012, com a disseminação de boatos e comentários agressivos (militantes do PT E PSDB) que buscavam corroer a consistência do debate entre os candidatos.  Tudo que não queremos mais. Política nefasta e do jogo sujo, da baixaria e corrosão do debate.

O fenômeno da boataria profissional na internet já suplanta o simples conteúdo originado em postagens irresponsáveis, e, por vezes, isoladas, sobre determinado tópico envolvendo um candidato, partido ou gestor público. Percebe-se que existe o internauta que se dedica a gerar e vascularizar este tipo de material. Este boateiro profissional é competente e eficiente e pode influenciar usuários de internet que ainda não possuem maturidade e educação digital por serem relativamente novos nesse universo. A disseminação de opiniões e rumores repercute e acaba por ganhar espaço na grande mídia. Temos aí o surgimento preocupante de um novo formador de opinião, que passa a desenhar a agenda da política e suas vertentes.

Observamos o início efetivo do uso da internet no processo democrático brasileiro. A relação internauta-web, que necessita de muito mais maturidade e alcance através da inclusão digital, aponta perspectivas que podem ser muito bem exploradas pelas instituições e políticos em seu relacionamento com o público durante a gestão ou fora dela. O potencial de fortalecimento da democracia e do debate político é claro. Tomará que não seja uma chance desperdiçada. Algo que já é habitual em terras tupiniquim.




22 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por José Antônio da Conceição, em 06/03/2013 às 01:24

Gracias Papa Tango ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- "A praga do 'Políticamente Correto' é uma mistura de covardia, informação falsa e preocupação com a imagem. Combina com uma época frouxa como a nossa." Luiz Felipe Pondé in Guia Politicamente Incorreto da Filosofia - p.11 (PDF) ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por Obi Ser Vando, em 05/03/2013 às 18:00

propaganda & marketing marketing & vendas Afinal o que é marketing? _____________ from http://www.etymonline.com/ marketing (n.) 1560s, "buying and selling," verbal noun from market (v.). Meaning "produce bought at a market" is from 1701. The business sense, "process of moving goods from producer to consumer with emphasis on advertising and sales," is attested by 1897. _________________ assim temos (google translator): The business sense, "processo de transferência de bens do produtor ao consumidor, com ênfase em publicidade e vendas"

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:24

@feliz Que também pode ser LIDO ao contrário Obi: "processo de transferência de renda do consumidor ao produtor, com ênfase na publicidade, por meio de vendas, que realimentam a concentração da renda nacional na mão de poucos"

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 20:33

Por causa das "artimanhas" e das "armadilhas" do marketing. Se procurar com lupa, até subliminaridade (mensagem que é transmitida sub-repticiamente, às escondidas, com o objetivo de influenciar o destinatário sem que esse tenha consciência da influência por ele sofrida) você vai encontrar.

Por Obi Ser Vando, em 05/03/2013 às 19:51

@joseantonio400 , por que o consumidor escolhe o que tem "marketing" e despreza o que tem "publicidade" ou "sabedoria popular"?

Por roberto argento filho argento, em 05/03/2013 às 16:19

Mas o Quê queremos afinal? é papel do Marketing a orientação das necessidades?

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 17:02

@argento Argento, é preciso levar em consideração o "nascimento" das ciências! O Marketing, infelizmente, como todo respeito, não "nasceu". Foi abortado devido uma necessidade imperiosa imposta por conjunturas que, sem ele, ficariam expostas à luz do sol e corriam o risco de morrer de câncer! O Marketing, em 90% de suas aplicações (Gabriel Rossi definiu os 10% restantes) serve como desinfetante, enxaguador e perfume, para que o mundo não se afogue na fedentina total.

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:40

@gabrielrossi Espero (sinceramente de novo), ter lhe fornecido subsídios SUFICIENTES para você identificar exatamente a ORIGEM (mental) dos nossos comentários (meus, do Argento e do Obi).

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:21

@gabrielrossi Prá que você não diga que "estou preso no passado" quando estas pérolas ainda não eram regulamentadas, uma atual: "Negócio só é bom, se ambas as partes ficarem satisfeitas" (Apresente-me UM ser humano satisfeito em negociar com um Banco ou Instituição Financeira, cujo "produto" a ser vendido/emprestado é a moeda!

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:16

@gabrielrossi Creio, Gabriel Rossi, estamos falando do ex-jogador Gérson, atleta, amado pelo Brasil inteiro por suas lindas atuações com a bola no pé, olhando para a câmera e dizendo: "Fumo deste cigarro aqui, por que 'gosto de levar vantagem em tudo' CERTO? Aí entra o locutor (voz marcante) e diz: "LEVE VANTAGEM VOCÊ TAMBÉM"

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:08

@gabrielrossi Creio, Gabriel Rossi, estamos falando do "homem que fumava Marlboro ou Malrboro?" e morreu de câncer no pulmão (ator famoso - filmes de cawboy americano - não me lembro o nome)

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 18:02

@gabrielrossi Creio, Gabriel Rossi (sinceramente) que estamos falando de duas coisas diferentes que, infelizmente utiliza-se o mesmo nome para fazer referência a ambas. Enquanto você faz a defesa do Marketing sério, do qual você cuida enquanto profissional, eu, talvez também o Argento estamos falando do Marketing que diz "Coca-Cola refresca até a alma", como se alma sentisse frio ou calor! Creio também, estamos falando do Marketing daquele camarada já velhinho, com a velhinha no banco ao lado, repetindo de cor TODAS as placas dos "seus" (propriedade) veículos anteriores e esquecendo-se do nome da companheira de vida de anos a fio (Não vou dizer o que este Marketing insinua).

Por Gabriel Rossi, em 05/03/2013 às 17:42

@joseantonio400 Meu, caro. Com todo o respeito (mesmo). Você possui uma visão míope, absurda, caquética e moldada sobre marketing. Tudo que uma empresa faz, por exemplo, é marketing. Marketing é organizar-se na perspectiva do mercado e do consumidor. Não confunda marketing com uma simples ideia criativa ou com "passar batom em porco". Abs.

Por Gabriel Rossi, em 05/03/2013 às 13:40

Roberto, depende da categoria mas também não acho que devemos resumir o marketing apenas a compra do produto. Penso na questão do alinhamento para o mercado , relevância, perda de miopia ... José, valeu! Bacana nossa discussão. Um braços pra vcs.

Por roberto argento filho argento, em 05/03/2013 às 13:38

Segundo pesquisa, 85% dos brazileiros compram por IMPULSO (vi na Globo, jornal Hoje, de hoje). Qual o papel do Marketing (anglicismo para Propaganda) neste "Impulso" ? Baseado nesta premissa, acho que, por Impulso, vota o brazileiro e, vale a pergunta: Qual o papel do Marketing (anglicismo para Propaganda) neste "Impulso" ?

Por Obi Ser Vando, em 05/03/2013 às 13:03

Flávio Dino apoia investigações de possíveis fraudes nas eleições ------------------------------------------------------------------------------------------------ O presidente da Embratur reafirmou, na manhã de hoje (28), que apoia qualquer iniciativa que vise apurar as denuncias de fraude na eleição de 2010. “Muito positiva a ideia de inquérito na Policia Federal para apurar as suspeitas de crimes e fraudes na eleição de 2010. Apoio a ideia”, escreveu Flávio Dino no seu perfil do Twitter. A declaração Flávio... Leia mais http://www.fraudeurnaseletronicas.com.br/2013/03/flavio-dino-apoia-investigacoes-de.html

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 12:56

REPITO AS PERGUNTAS: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por José Antônio da Conceição, em 28/02/2013 às 19:17 Quero destacar uma frase (incompleta) do seu texto, para poder perguntar. "Além disso, quem trabalha com marketing político..." Pergunto: Quem trabalha com marketing político, trabalha muito durante as campanhas e depois, trabalha para os políticos eleitos (principalmente) não é mesmo? Seja sincero: O MARKETEIRO, no íntimo, no mais profundo de sua consciência, está do lado do político ou do lado do povo? Do lado do caixa (de olho na grana), ou pensando em quem (penosamente) alimenta o caixa e não tem retorno? ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por José Antônio da Conceição, em 28/02/2013 às 19:24 @joseantonio400 Embora possa parecer, esclareço que minhas perguntas não são capciosas nem desrespeitosas! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 12:54

Eu NÃO VOU COMENTAR! [isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]..... Em protesto à falta de resposta às perguntas que fiz, em post anterior... http://www.observadorpolitico.org.br/2013/02/alice-este-nao-e-o-pais-das-maravilhas/ [isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário]-[isso não é um comentário].....

Por Gabriel Rossi, em 05/03/2013 às 13:01

@joseantonio400 Meu, caro. Li a pergunta que você fez no post anterior. Minha primeira indagação: O que é marketing para você? Fico com a sensação que essa é uma disciplina pouco entendida. Muitos criticam o Marketing pelo simples prazer de criticar. Criticam algo que não entendem, não conhecem e não estudam. Olhamos pelo lado corporativo. Será que os críticos, por mais levianos que sejam, já refletiram, por exemplo, sobre o valor sócio-econômico e cultural das marcas no mundo atual? Para começar, a necessidade que as marcas possuem de inovar diariamente resulta em uma enorme importância social. A inovação acarreta benefícios à comunidade em forma de novos empregos, dinheiro injetado na economia, produtos e serviços mais rápidos e modernos. Será que, por exemplo, a corporação Procter & Gamble desenvolveria tantos produtos de custo mais baixo e qualidade adequada se não houvesse marcas para associar todo seu investimento e risco? Será que as empresas de telefonia nos países em desenvolvimento estariam motivadas a melhorar a vida das pessoas em lugares remotos, como interior do Peru, Índia e Paquistão? Digo que não. As marcas são parte vital desta equação. Focando no lado político não podemos generalizar. Há políticos e políticos. Marquetólogos e marquetólogos. Isso é questão de escolha profissional, alinhamento ético e não da disciplina do marketing. Sim, bons marquetólogos ficam do lado da democracia, da população. Um abraço.

Por Gabriel Rossi, em 05/03/2013 às 13:39

@gabrielrossi Roberto, depende da categoria mas também não acho que devemos resumir o marketing apenas a compra do produto. Penso na questão do alinhamento para o mercado , relevância, perda de miopia ... José, valeu! Bacana nossa discussão. Um braços pra vcs.

Por roberto argento filho argento, em 05/03/2013 às 13:33

@gabrielrossi: Segundo pesquisa, 85% dos brazileiros compram por IMPULSO (vi na Globo, jornal Hoje, de hoje). Qual o papel do Marketing (anglicismo para Propaganda) neste "Impulso" ?

Por José Antônio da Conceição, em 05/03/2013 às 13:32

@gabrielrossi Conheço sim o mundo das marcas, prezado Gabriel. A instituição que cuida disso no brasil (o INPI) cuida também dos direitos autorais de diversas "coisas" por meio do registro de patentes. Até o código dos softwares que escrevo, se resultarem num bom sistema, que possa auxiliar o ser humano em algumas das miríades de tarefas que precisa executar, também é registrado no INPI. Fico satisfeito que tenha entendido minha pergunta e se dignado a perder alguns minutos do seu precioso tempo na resposta. A última frase da sua resposta toca no âmago da questão! Pena, que os citados sejam em número infinitamente inferior à alta demanda.