Opinião

Por José Antônio da Conceição, em 02/03/2013 às 12:01  

La verdad – episodio tres (III)

Tamanho da fonte: a-a+

 


—————————————————————————————————————————————————-
Posts anteriores:
Doutrina (o que é) –> http://www.observadorpolitico.com.br/2013/02/doutrina-o-que-e/
La verdad ————–> http://www.observadorpolitico.com.br/2013/02/la-verdad/

La verdad (II)–——–> http://www.observadorpolitico.com.br/2013/03/la-verdad-episodio-dos-ii/




39 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 16:16

Tá bom Papa Tango! Deixemos o que eu disse prá lá. Vamos falar sobre o que Rubem Alves escreveu? Prá você o que é "desejar tão somente o que é justo"? Ele estava se referindo a alguém que "deseja injustiças"? Foi isso mesmo que le quis dizer?

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 16:36

@joseantonio400 Ele quis criar uma frase de efeito. Pessoas nas mesmas condições dele também gostam de exprimirem frases de efeito. Eu chamo isso de hipocrisia. Clamar por um mundo melhor mas usufruir de tudo que este mundo nos oferece.

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 17:52

@papatango Quê isso Papa Tango? Então, todos que reclamam por justiça devem abdicar dos próprios bens mesmo que escassos? Prá sobrar mais para quem? O egoismo e o desjo de acumulação são realmente INFINITOS?

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 15:16

Este é o esquema para o caso específico do parentesco entre bisavós: http://img7.imageshack.us/img7/4897/novo2a.jpg

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 15:39

@papatango O mote do post NÃO É "parentesco" entre membros de uma árvore genealógica, nem a maneira como as árvores genealógicas "se entrelaçam" e quais os efeitos disso! O mote do post é: "Procure decidir caminhar por caminhos corretos, para que seja possível repassar carga genética positiva ao seus descendentes! Se, você fizer isso, e sua esposa também, maiores possibilidades de seus filhos e netos receberem uma carga positiva melhor!" Podemos abordar este assunto do post?

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 16:15

@joseantonio400 O que o cu tem a ver com as calças?

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 16:10

@joseantonio400 O que carregam? Características físicas? Cor dos olhos por exemplo? Tipo de cabelo? Pois é... o filho da lourinha com o alemão genuino nasceu com os cabelos crespos! Lá pelos 19 anos, alguém o chamou de "africanozinho" e mandou voltar prá senzala! O resto da história ele mesmo pode contar! Ele está lá na penitenciaria por que o juiz disse que bastava matar, não precisava dar 24 tiros, quinze facadas, 42 pontapés (no cadáver) e depois passar com o carro em cima extamente seis vezes! três delas de marcha à ré! Eita genezinho danado heim?

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 15:51

@joseantonio400 Lógico que não. Você postou a imagem para corroborar sua teoria. Se a imagem não exprime a realidade então seria melhor colocar a foto da bunda da Viviane Araújo. Quanto a seguir o caminho correto para passar uma boa carga genética e blá-blá-blá, não encontra respaldo no campo da genética. Seus genes não carregam a sua cultura e comportamento. Isto até a Maria das Tranças já sabe!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 14:57

<img src="https://sites.google.com/site/filosofiapopular/_/rsrc/1362333347476/testes-imagens-iii/Veja-03.PNG" style="height:675px; width:630px ">

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 15:23

@joseantonio400 A lição que fica é que a sua pirâmide invertida está errada. Quanto a pirâmide em pé, desisto de usar qualquer argumento racional sobre um desenho sem pé e nem cabeça.

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 14:51

Seu último gráfico foi mais coerente. Ficou evidente que Dona Corelina e Dona Tenentina são irmãs, sendo assim, os pais de Papa Tango (do exemplo) são primos. Porém, entre os bisavós (seguindo sua pirâmide invertida) há também laços de parentesco. Vou esquematizar aqui e depois coloco o link da imagem.

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 15:07

@papatango Não precisa esquematizar... Eu já entendi! e Expliquei! Eis seu ENGANO: Tentar raciocinar com um "desenho esquemático", como se fosse "ARVORE GENEALÓGICA" real, retratando familia real (de realidade, não de realeza). Portanto, num "desenho esquemático" não se deve PROCURAR PARENTESCOS pois isso acontece é na "ARVORE GENEALÓGICA REAL - aquela que reproduz a REALDADE (qualquer realidade familiar, até da realeza, nobreza...)" Aqueles... de "sangue azul"... Lembra-se?

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 15:20

@joseantonio400 "aquela que reproduz a realidade" Então seu gráfico não reproduz a realidade? É tipo uma "licença poética"? Se é isto, não vale para teorizar nada neste e nem em outro mundo.

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 15:01

@papatango Meu último gráfico, é um "pedacinho" do gráfico anteriormente apresentado (desde a publicação do post) Nada mudou! Apenas os nomes e explicações foram acrescentados na figura! Repare e compare!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 14:40

Eis a imagem: --- <img src="https://sites.google.com/site/filosofiapopular/_/rsrc/1362332188406/testes-imagens-iii/Veja-02.JPG" style="height:800px; width:630px "> --- Eis seu ENGANO: Tentar raciocinar com um "desenho esquemático", como se fosse "ARVORE GENEALÓGICA" real, retratando familia real (de realidade, não de realeza).

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 14:45

@joseantonio400 Sua Realeza não pediu... Mesmo assim, minha humanidade e disponibilidade (sempre disponíveis para ajudar a aflorar a humanidade no semelhante), decidiram ajudar (com a coordenação motora, com a facilidade de desenhar que vem da minha profissão, com a facilidade de webdesign, que vem de um hobby, dentre os que tenho, o preferido)!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 14:46

@joseantonio400 A sequência (deste desenho esquemático) para cima e para baixo, deixo por sua conta! Você é capaz!

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 14:31

A imagem é esta, não sei e não quero aula de como publicá-la aqui: http://img703.imageshack.us/img703/4296/novo2i.jpg

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 14:30

&ltimg src="height:783px; width:613px " src="http://img703.imageshack.us/img703/4296/novo2i.jpg"&gt

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 14:28

&ltimg style="height:783px; width:613px " src="http://img703.imageshack.us/img703/4296/novo2i.jpg"&gt

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 13:50

NOVAMENTE: @papatango Solicito que releia (com mais atenção meu comentário (11:07). Mas, antes de ler, faça um rascunho deste meu desenho em tamanho suficiente para que você possa escrever os hipotéticos nomes que forneci, ao lado de cada bonequinho do desenho. Creio (sinceramente) que agindo desta forma, você entenderá! ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Ou você tem dificuldades de coordenação motora para fazer isso? Posso (dentro da minha humanidade e disponibilidade, fazer por você e publicar)! Basta você pedir!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 13:36

TRAZENDO DE LÁ PARA CÁ (trazendo de outra discussão correlata) ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por regina helene de oliveira, em 03/03/2013 às 12:53 José só uma ressalva: acredita no determinismo da genética ? Ou na consequência do exemplo-formação-educação? Ou ainda na individualidade da consciência? Dentro do determinismo da genética estamos danados , todos. Poupe-nos do sem saída. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 13:23 @reco Acredito que o ser humano nasce dependente, sem saber se alimentar sozinho (exceto o ato natural de sugar o seio materno), sem saber falar, ler, escrever ou interpretar (nosso mundo - o mundo dele ele interpreta direitinho). Então, este ser humano dependente fica à mercê do aprendizado que lhe será ministrado. (Educação familiar, Educação Escolar, Ensino Escolar + o aprendizado das ruas e da vida, que acontece naturalmente por meio da observação e do aprendizado pelo exemplo) Quando aprender a ler e interpretar o que leu, ou ver um filme e interpretar o que viu, o coitadinho irá sofrer bastante, mesmo que seja sofrimento interno, inconsciente. Ele irá deparar com antagonismos inexplicáveis, inexistentes na mente dele ao nascer. Não estou me referindo à diversidade! Estou falando mesmo é dos diversos tipos de moral que a humanidade pratica e encontra justificativa para todas elas, mesmo as mais desumanas! Depois mais tarde, já um pouco mais ciente de si, quando iniciar a procura pela verdade irá conversar com seus semelhantes e irá perceber (infelizmente) que a verdade de cada um é diferente da verdade do outro, levando-o a concluir que então... já que é ASSIM que funciona, ele terá que construir uma VERDADE para si, diferente de todas as outras, prá não ser rotulado de "copiador". Desistindo de procurar a verdade nas conversas, ele parte para os livros e a história se repete! De repente, ele encontra uma escola digna do nome! A escola "colmeia" francesa ou mesmo a outra escola (libertária) que o empresário Ricardo Frank Semler fundou em São Paulo - detalhes: https://sites.google.com/site/filosofiapopular/artigos-observador-politico/continuamos-pensantes-e-produzindo-ideias---parte-iii---final Aí, mais tarde, ele encontrará pessoas acusando-o de ter a personalidade que tem por causa de ter estudado em "escolas esquerdistas e Marxistas". Com genética ou sem genética, tenho pena de todos os bebês que nascem neste nosso mundo conturbado, que atravessa tempos difíceis, em que a HUMANIDADE foi relegada ao quinto ou sexto plano. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 13:31 Melhor redigido: "... em que a HUMANIDADE (dentro de cada ser humano - maioria deles) foi relegada ao quinto ou sexto plano. Quinto ou sexto, é número hipotético - pode ser também décimo ou vigésimo! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 11:31

MAIS EXPLICAÇÂO (necessária, ultra-necessária): Coronelina de Jesus Tango é nome próprio, devidamente registrado no cartório da cidade de nome Caserna. Corelina era apelido carinhoso, por que dizia a mãe dela, ficava parecido com Coralina (de Cora Coralina) e a família estava precisando de nomes bonitos,parecidos com nomes de Gente Importante!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 11:34

@joseantonio400 Importante e "inteligente" claro, Porém, por educação feminina (de berço) ela sempre omitia o termo "inteligente". Pensava, mas não dizia!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 11:38

@joseantonio400 Guarde esta explicação e tranmita aos seus descendentes! Explica para eles, que estas pequenas linhas explicativas foram redigidas por JAC, para o caso de eles encontrarem o Elemento 2 da pirãmide lá no futuro, serem condescendentes e compreensivos com as dificuldades de aprendizado que ele apresentará durante o período de escolarização! É como tenho dito aqui: "Tudo tem causa. Entendendo as causas verdadeiras, fica mais fácil entender as consequências".

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 10:53

Tentando "ABRIR A MENTE" - Se necessário, posso TENTAR de novo (Sou paciente, manso e prudente) *** <img src="https://sites.google.com/site/filosofiapopular/_/rsrc/1362318568965/testes-imagens-iii/PapaTango-02.PNG" style="height:435px; width:650px ">

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 13:33

@joseantonio400 Putz! Assim você mata a coitada da Maria das Tranças! As pirâmides deveriam representar ascendentes e descendentes. Pelo menos é o que está escrito no texto. Uma vez que você coloca a própria pessoa e seu par como descendente dela mesma, o gráfico fica confuso. Também é errado colocar os (as) parceiros (as) dos filhos (as) e das gerações posteriores como descendentes desta mesma pessoa. A pirâmide em pé foi mal formulada, como esquema representativo da sua estranha teoria da dicotomia presente nas discussões do OP. Porém, como eu percebí depois mais tarde, a pirâmide invertida também está errada. Como estou com preguiça de desenhar, vou usar caracteres "0" e "1" aqui e representá-la apenas pelas últimas 6 gerações. Leia de baixo para cima para ficar mais compreensível. 01 01 01 01 01 ---SEUS 10 PENTAVÓS (O NORMAL SERIA 32 OU 24 SE ALINHA ABAIXO ESTIVESSE CORRETA 01 01 01 01 ------SEUS OITO TRISAVÓS (O NORMAL SERIA 16 OU 12 SE A LINHA ABAIXO ESTIVESSE CORRETA) 01 01 01 -----------------------------SEUS SEIS BISAVÓS (O NORMAL SERIA OITO) 01 01 -------------------------------SEUS QUATRO AVÓS 01 ---------------------------------------SEUS DOIS PAIS 1--------------------------------------------VOCÊ A árvore genealógica em pequena escala deve ser tratada como uma progressão geométrica onde cada geração possui o dobro de pessoas que a posterior e não apenas duas pessoas como o gráfico mostra. Pelo gráfico, percebe-se que há uma grande incidência de casamentos entre primos. O casamento entre primos as vezes acontece, mas não é comum e muito menos comum que isto se repita a cada geração. Talvez você não tenha percebido isto, então vou detalhar, Se você tem apenas 6 bisavós quando o normal seria 8, então seus pais eram primos. Separemos seus 6 bisavós em três pares (casais) e chamemos cada par de A, B E C. Para que seus quatro avós existissem, qualquer um dos pares A, B ou C deveria contribuir com dois filhos, um em cada par de seus avós. Os pares restantes contribuiriam com apenas um filho em algum casal de seus avós. Sendo assim, dois avós seus seriam irmãos, obviamente casados com filhos dos pares que só contribuiram com um filho. Isto significa que seu pai seria necessariamente primo da sua mãe. Isto não é impossível, como já disse, mas não é usual. E, usando esta mesma análise, percebe-se que ocorre o mesmo com as outras gerações. Então, a pirâmide foi um meio forçoso de representação, pois falha conceitualmente.

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 13:47

@papatango Solicito que releia (com mais atenção meu comentário (11:07). Mas, antes de ler, faça um rascunho deste meu desenho em tamanho suficiente para que você possa escrever os hipotéticos nomes que forneci, ao lado de cada bonequinho do desenho. Creio (sinceramente) que agindo desta forma, você entenderá!

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 11:07

@joseantonio400 Necessário esclarecer mais ainda: Onde está escrito "casarem" pode-se ENTENDER acasalarem também. Depois disso, é necessário entender que o "acasalamento" aconteceu em período FÉRTIL da fêmea. Depois, é necessário entender que a gravidez correu bem e que a criança da próxima geração nasceu sadia, perfeita, cresceu, educou-se (educou-se de maneira meio torta devido genes transmitidos desde o avô, que tinha dificuldades de entendimento sobre política, sobre economia e sobre interpretação de desenhos esquemáticos). Agora, procurando FACILITAR mais ainda: PapaTango, Filho do General e de dona Maria. General era filho do casal Coronel e Dona Coronelina. Maria era filha do casal Sargento e Dona Tenentina. Dona Tenentina e Dona Corelina eram filhas de um mesmo casal (acima). General e Sargento eram filhos dos outros dois casais acima, que advinham (por sua vez) de outras famílias militaristas e burguesas mais acima.

Por José Antônio da Conceição, em 03/03/2013 às 11:15

@joseantonio400 Todos os nomes citados, são hipotéticos, adotados apenas com o objetivo didático de esclarecer algo MUITO COMPLICADO, para tentar facilitar ao máximo o ENTENDIMENTO de quem não gosta de ENTENDER e dedica a vida a complicar... complicar principalmente a mente do semelhante, com objetivos óbvios... tão óbvios que é desnecessário me estender na Explicação da explicação, que irá gerar outra explicação, que redundará em necessidade de outra Explicação da explicação... num cículo vicioso infinito.

Por Papa Tango, em 03/03/2013 às 02:46

Peraí! Olhando com calma, a pirâmide (triângulo, mas deixa pra lá...) invertida também está errada. O correto seria que cada geração anterior fosse representada pelo dobro de ascedentes. Claro que isto não é uma regra, caso fosse teriamos um número absurdo de avós em épocas remotas, ou seja, a árvore genealógica de todas as pessoas segue um traçado não uniforme. Porém, em gerações recentes isto é quase uma raridade. Veja que estão representados 6 bisavós, quando o natural seriam 8. Sendo assim, entre os dois casais que representam os avós, haveriam 2 irmãos. Consequentemente, os pais seriam primos. Como já disse, isso não é impossível, mas seria forçoso se isto se repetisse em todas as gerações anteriores como acontece no gráfico. Também é preciso lembrar que a união entre parentes (em graus distantes) faz com que a pirâmide tenha formato irregular. Malba Tahan propôs um paradoxo sobre os avós no qual, sempre dobrando nossos ascendentes, nossos avós na época de Cristo lotariam o globo terrestre. Mas, era apenas um exercício especulativo, porque aí entra a relação entre parentes próximos e parentes distantes que torna a árvore genealógica uma rede com vários entrelaçamentos. É isso aí. A pirâmide em pé está ainda mais errada, não sei por que insiste em adaptar a realidade ao desenho do que adaptar o desenho à realidade. Coisas de marxista, deve ser!

Por Papa Tango, em 02/03/2013 às 12:59

Esta "pirâmide" (não seria triângulo?) é incestuosa e mal elaborada. A "pirâmide" invertida está correta, começando lá em cima pelos nossos "caralhavós" (sei lá que nome se dá aos nossos avós da oitava geração anterior) e chegando até nós. A "pirâmide" normal suprime nossas parceiras e os (as) parceiros (as) de nossos (as) filhos (as) e ainda pressupõe que nossos filhos terão sempre dois filhos. Porém, pode ser interpretada como um relacionamento entre nossos filhos gerando outras gerações que se relacionam entre sí, isto é, uma sequência de gerações incestuosas, e parte da gente a partir. Então, ao invés de explicar, esta "pirâmide" só consegue confundir mais ainda. Desse jeito a Maria das Tranças vai acabar se enforcando com as próprias tranças depois de desistir de entender o mundo.

Por José Antônio da Conceição, em 02/03/2013 às 13:07

@papatango Se você copiar a imagem e amplia-la verá a diferenciação de gênero. Em cada par, há "uma saia" no bonequinho. Atente também para a frase "... pois o desenho esquemático ao lado..." Dona Maria das tranças esteve na escola... ela já domina o significado de "desenho esquemático".

Por José Antônio da Conceição, em 02/03/2013 às 13:23

@papatango O esquema está simplificado para o indivíduo. A informação de que o "par" de seu filho ou filha virá de outra árvore, na maioria das vezes, é informação já incutida na mente de cada um! Além do mais, estou me dirigindo a adultos! O esquema está certo!

Por Papa Tango, em 02/03/2013 às 13:16

@joseantonio400 O esquema está errado. Quando se monta um esquema gráfico, ele deve ser o mais fiél possível a realidade. Não importa que sejam casaizinhos, como você disse, pois mesmo assim parte da idéia que todas as pessoas das gerações seguintes são nossos descendentes diretos.

Por Papa Tango, em 02/03/2013 às 13:02

@papatango "e parte da gente a partir" = erro na digitação. Queria escrever: parte da gente de forma não assexuada, ou seja, como se pudessemos conceber filhos sem relacionarmos com uma mulher (no nosso caso, que somos homens).

Por Ricardo Froes, em 02/03/2013 às 12:23

Captei, vossa mensagem, ó venerando mestre das verdades inatacáveis! Mais alguma aula de sabedoria hoje?

Por José Antônio da Conceição, em 02/03/2013 às 12:29

@bobjaniak Não é aula! É sugestão! As "verdades" que estou expondo, podem ser contrapostas com outras verdades. Eu, gostaria muito que esta contraposição viesse de forma singela e educada, como estou fazendo. Talvez, assim procedendo, meus semelhantes poderiam ma auxiliar no conhecimento de verdades diferentes destas que acredito!

Por José Antônio da Conceição, em 02/03/2013 às 12:31

@bobjaniak ...me auxiliar... (ter comigo algum sentimento de ajuda e compaixão)