Brasil

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 10:47  

PNBC-ME (Ação número zero)

Tamanho da fonte: a-a+

Governo zera IOF de financiamentos para obras

O governo federal zerou hoje a alíquota do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF) sobre operações de crédito realizadas por instituição financeira, com recursos públicos ou privados, para financiamento de operações, contratadas a partir de 2 de abril de 2013, destinadas a uma série de ações, inclusive o financiamento de projetos de infraestrutura logística direcionados a obras de rodovias e ferrovias objeto de concessão pelo governo federal. O Decreto nº 7.975 inclui um novo inciso no artigo 8º do Decreto nº 6.306, que dispõe sobre o IOF.

Com a inclusão, fica zerada a alíquota do imposto em operação de crédito “realizada por instituição financeira, com recursos públicos ou privados, para financiamento de operações, contratadas a partir de 2 de abril de 2013, destinadas a aquisição, produção e arrendamento mercantil de bens de capital, incluídos componentes e serviços tecnológicos relacionados, e o capital de giro associado, a produção de bens de consumo para exportação, ao setor de energia elétrica, a estruturas para exportação de granéis líquidos, a projetos de engenharia, à inovação tecnológica, e a projetos de investimento destinados à constituição de capacidade tecnológica e produtiva em setores de alta intensidade de conhecimento e engenharia e projetos de infraestrutura logística direcionados a obras de rodovias e ferrovias objeto de concessão pelo Governo federal, a que se refere o art. 1º da Lei nº 12.096, de 24 de novembro de 2009, e de acordo com os critérios fixados pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central do Brasil.”

—————————————————————————————————————————————————-

BRASÍLIA, 2 Abr (Reuters) – O governo zerou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para financiamento de bens de capital, bens de consumo para exportação, setor de energia elétrica, projetos de engenharia, logística e aos planos de concessão do governo federal.

A medida, publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira, vale para as operações de crédito contratadas a partir de agora, segundo explicou à Reuters um assessor do governo.

O objetivo é tornar mais barato o financiamento dos setores envolvidos em infraestrutura num momento em que a economia dá sinais mais claros de retomada da atividade.

Essas operações de crédito já estavam com a taxa de juros reduzida por fazerem parte do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Pelo PSI, a taxa de juros cobradas são de 3 por cento ao ano neste primeiro semestre e de 3,5 por cento a partir de julho. O prazo de financiamento do programa é de 20 anos com carência de até 36 meses.

—————————————————————————————————————————————————-

Os Observadores Políticos, dando início às atividades propostas pelo PNBC-ME reivindicará junto às 20 maiores instituições financeiras do país as quantias necessárias para projeto e construção dos 20 ramais ferroviários indicados em vermelho no mapa abaixo.

Os financiamentos deverão contemplar as despesas de projeto, desapropriação de terras, construção dos ramais, incluso todas as obras de arte necessárias, locomotivas e vagões em número suficiente para escoar toda a produção Brasileira, modernizar e baratear nossa logística de transporte de carga e passageiros.

Paralelamente, serão reivindicados outros dois financiamentos para construção de portos modernos no Peru e no Chile com vistas a abrir uma rota de exportação via oceano pacífico para os produtos Brasileiros.

Loriaga Leão, José Antônio e Obi determinam que os setores tomem as providências necessárias de forma a que se iniciem imediatamente os estudos para concretização do feito.

*




30 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por Luiz Felipe, em 08/04/2013 às 17:40

Valeu. Beleza pura. É por aí. O PNBC-ME é isso aí, ousadia total, para fazermos do nosso Brasilzão o melhor país do mundo, em todos os sentidos.

Por erikssom patos, em 03/04/2013 às 00:05

Meu mestre JAC, juro só se for de livre mercado e proveniente de poupança espontânea da população e das empresas. Esse ai que você está apontando é fruto de expansão monetária via endividamento publico. Isso causa bolha, crise e miséria.

Por José Antônio da Conceição, em 03/04/2013 às 01:43

@patos O dinheiro na mão dos investidores nacionais e também estrangeiros é dinheiro público Patos? Os financiamentos que serão solicitados às instituições financeiras é "pedido de dinheiro público"? Quer dizer então, que o Guardião da Expansão monetária, agora, em defesesa da sua tese começa a INVENTAR? Começa a dizer inverdades (por que isso não está escrito) só para avacalhar? Ou você bebeu hoje sem nenhuma moderação? Começo a descobri que a República das jabuticabas além de trapalhões conta também com outro tipo de elemento: "os freiadores oficiais de qualquer ideia desenvolvimentista". Depois terei que descobrir o objetivo deles...

Por José Antônio da Conceição, em 03/04/2013 às 01:54

@patos, trago para cá o que foi dito: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- "@papatango Isso, é lá com os nossos assessores! Por gentileza verifique quais (entre públicas e privadas), pois cada uma delas financiará um trecho ou lotes equivalentes ao seu poder de finaciamento! Avise que será permitido emisão de títulos de longo prazo do empreendimento. Quanto aos juros, depois o Eriksson Patos apresentará as possibilidades de remuneração futura destes papéis!" ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- "@joseantonio400 Assessor que pensa PEQUENO estamos dispensando! De tanto pensar pequeno é que o Brasil não decolou e se continuar, não decolará! Não leu sobre os títulos? 80 a 90% da obra serão financiados pelos grandes investidores (nacionais e estrangeiros). Cuida da sua parte, que da nossa, cuidamos nós!" ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Para os FREIADORES (grafado assim, errado mesmo) oficiais e PICUINHAS tem de explicar: Ações, só depois da existência de uma empresa S.A. Por isso utilizei a palavra "títulos". É que negócios desta envergadura não podem ficar patinando na burocracia oficial do freiadores, o dinheiro tem de aparecer rápido e a coisa sair do papel. E... já que você foi citado nominalmente, encontra uma maneira de redigir isso aí no edital: "Os títulos serão trocados por ações no futuro, quando os empreendimentos estiverem em operação comercial"

Por erikssom patos, em 03/04/2013 às 00:08

JAC & LEÃO, os trapalhões da republica das jabuticabas!

Por José Antônio da Conceição, em 03/04/2013 às 01:56

@patos Com este tipo de assessores... (principalmente com o pensamento retrógrado delles) acho que o Brasil tá fodido mesmo...

Por milton valdameri, em 02/04/2013 às 18:00

JAC, vocês esqueceram de colocar no projeto, a construção de um porto na Antártida, para exportar gelo para os pinguins.

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 22:01

@miltonv O mapa apresentado é específico! Antartida fica mais ao sul, abaixo da Patagônia que nem aparece no mapa apresentado! (Revise suas aulas de geografia do curso ginasial que você deve ter feito nas coxas, colando as respostas das questões dos colegas mais competentes que você).

Por milton valdameri, em 03/04/2013 às 03:21

@joseantonio400 Quer dizer então que aquilo que está "incluso fora" do mapa é o mapa não específico? Você poderia usar sua sabedoria para ensinar as pessoas a desenhar mapas não específicos, mas não esqueça de divulgar para o mundo a fórmula matemática usada para descobrir o que está "incluso fora" do mapa.

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 23:16

@miltonv A especificidade citada, refere-se à região inclusa dentro do mapa apresentado, sendo, que todas as regiões não incluidas não são objeto da questão tratada!

Por milton valdameri, em 02/04/2013 às 22:10

@joseantonio400 Minhas aulas de geografia foram tão ruins que nem mesmo ensinavam o que é mapa específico e mapa não específico, você poderia por favor explicar?

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 22:10

@joseantonio400 E não esqueça que o Brasil também tem umas terrinhas (gelinhos?) lá na Antártica.

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 22:09

@joseantonio400 Puxa! Como você é inteligente! Quantas vezes foi à Wikipedia para chegar à conclusão que a Antártica fica abaixo da Patagônia? Só que ela também fica abaixo de Minas, do Rio, de São Paulo...

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:53

Isso não dá cana agora?

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 20:00

@bobjaniak Cana, precisa passar no engenho para extrair o caldo, ajustar o brix do caldo com água potável para um teor ao redor de 15, fermentar em dornas não oxidáveis, alambicar em alambiques de cobre genuinos a fogo direto ou vapor, desprezar as porções da cabeça e rabo, eliminar os resíduos de cobre oxidado (azimhave) e envelhecer em barris de madeira nobre por pelo menos um ano! Depois, é só proceder a uma mistura de produtos para obter um "blend" de qualidade (coisa de mestre, iniciante ingênuo não sabe fazer) engarrafar, e degustar com moderação!

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 20:54

@bobjaniak Favor ficar atento! Não gosto de batatas queimadas, nem cruas por dentro! (pelo menos nisso, tente ser bom naquilo que você se propõe a fazer)

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 20:29

@joseantonio400 Isso mesmo, plagiador sem-vergonha. Continua tergiversando que a sua batata está assando...

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:44

Vejam só de quem o JAC copiou o projeto: “Universo Logístico Este blog foi criado por alunos que estão cursando o terceiro modulo de logística da Etec cônego José Bento da cidade de Jacareí SP a titulo de conclusão da de gestão de transporte sobre orientação do professor MSC Levi pinto de Miranda. (Blog da Gestão da cadeia de suprimento) Se vocês misturarem este... <img src="http://3.bp.blogspot.com/-z__tXLnTwgY/TcLHmrv1CDI/AAAAAAAAAAY/a1iIU7mFMKM/s1600/mapa_ferroviario.jpg" alt="imagens" style="float: left; margin:10px;height:355px; width:305px;"/> ...com este da pandrol.com... <img src=" http://www.pandrol.com/images/uploads/news/mapa.jpg" alt="imagens" style="float: left; margin:10px;height:342px; width:244px;"/> ...e depois espicharem até o Peru e o Chile, vai dar na “grande sacada” do PNBC. Originalíssimo! E ainda fica querendo empulhar a gente com essas desonestidades costumeiras.

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:43

<img src=" http://www.pandrol.com/images/uploads/news/mapa.jpg" alt="imagens" style="float: left; margin:10px;height:683px; width:487px;"/>

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:38

<img src="http://3.bp.blogspot.com/-z__tXLnTwgY/TcLHmrv1CDI/AAAAAAAAAAY/a1iIU7mFMKM/s1600/mapa_ferroviario.jpg" alt="imagens" style="float: left; margin:10px;height:709px; width:609px;"/>

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:38

<img src="http://3.bp.blogspot.com/-z__tXLnTwgY/TcLHmrv1CDI/AAAAAAAAAAY/a1iIU7mFMKM/s1600/mapa_ferroviario.jpg" alt="imagens" style="float: left; margin:10px;height:709px; width:609px;"/&gt

Por Papa Tango, em 02/04/2013 às 15:25

@joseantonio400 Legal, você formulou um projeto desenvolvimentista baseado em uma matéria jornalística de algumas poucas linhas. Geralmente os projetos nacionais são formulados por pessoas que se debruçam sobre livros e pesquisas econômicas e debatem constantemente com pessoas da área sobre o assunto. Você, formado na Faculdade Superior de Acho que dá Certo, dispensa tudo isso por ser um pensamento pequeno. Tá legal, acredito na sua capacidade. Só me diga uma coisa: quem são as 20 maiores instituições financeiras do país? Será que você não sabe? Será? SERAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAÁ?

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 21:54

@papatango Papa Tango! Eu já disse! Mas vou falar com todas as letras desta vez! Assessor tem de ser bom numa área específica e burro em todas as outras! Se você quer assessorar questionando, pede prá vir pro grupo de cima e exponha suas ideias! Caso contrário, guarde-as prá você!

Por Ricardo Froes, em 02/04/2013 às 16:01

Só rindo...

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 21:52

@bobjaniak Claro! Quem é incompetente na área das ideias (não sabe nem reconhecê-las, quanto mais raciocinar sobre os efeitos - consequências - delas) resta RIR que nem as hienas e alimentar-se igualzinho a elas também!

Por Papa Tango, em 02/04/2013 às 13:35

Quais são as 20 maiores instituições financeiras do país?

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 14:05

@papatango Se você tiver contato com o pessoal de campo que fará os estudos iniciais sobre a viabilidade dos tracados, peça que indiquem os locais propícios para implantação de novas cidades e justifiquem a escolha dos locais, apresentando os estudos de viabilidade e indicando principalmente o potencial econômico da região escolhida. Cada cidade de porte médio ao longo do trajeto, prevista para no máximo 300.000 habitantes! O Brasil já está sendo invadido por Europeus e Norte-americanos procurando emprego e renda. Não podemos repetir com eles, o que foi feito no passado com os próprios Brasileiros (permitir o inchaço maior de cidades já inchadas).

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 13:54

@papatango Isso, é lá com os nossos assessores! Por gentileza verifique quais (entre públicas e privadas), pois cada uma delas financiará um trecho ou lotes equivalentes ao seu poder de finaciamento! Avise que será permitido emisão de títulos de longo prazo do empreendimento. Quanto aos juros, depois o Eriksson Patos apresentará as possibilidades de remuneração futura destes papéis! Pretende-se incrementar os empregos existentes na data de hoje em 10% a 15% num momento inicial e em 20% no pico das obras.

Por José Antônio da Conceição, em 02/04/2013 às 15:01

@joseantonio400 Assessor que pensa PEQUENO estamos dispensando! De tanto pensar pequeno é que o Brasil não decolou e se continuar, não decolará! Não leu sobre os títulos? 80 a 90% da obra serão financiados pelos grandes investidores (nacionais e estrangeiros). Cuida da sua parte, que da nossa, cuidamos nós!

Por Papa Tango, em 02/04/2013 às 14:12

@joseantonio400 Assessor de cu é rola! Você não sabe nem quais são as 20 maiores instituições financeiras do Brasil e quer defender um projeto que extrapola completamente a capacidade de investimento público brasileiro? Tenha em mente também que Peru e Chile não são nossos protetorados. Se, supostamente, eles aceitassem um porto brasileiro em suas terras (ou melhor, litorais) isto daria à eles um enorme poder de barganha. Como o Brasil fala fininho com os vizinhos com medo que eles atirem pedras em sua vidraça, esta seria uma péssima idéia. Quer dizer, isto no campo político. No que se refere à geografia, existe uma enorme cordilheira que consumiria todo o cimento destas empreiteiras que adoram orçar projetos em um valor e depois, na hora do dá ou desce, aponta uma arma para o governo pedindo muito mais dinheiro para finalizar suas obras.