Brasil

Por , em 23/04/2013 às 00:35  

Pobrezas Absoluta e Relativa

Tamanho da fonte: a-a+

Sobre: Banco Mundial fixa 2030 como meta para fim da pobreza extrema – Economia – Notícia – VEJA.com

Qual realmente importa? As duas são importantes, mas apesar do nome são bem diferentes. Pobreza deveria ser isto, apenas pobreza, mas se todos (ou a imensa maioria) ao nosso redor apresenta um padrão de vida bem superior ao nosso, mesmo que nosso padrão de vida tenha evoluído para o dobro em uma década, a sensação de pobreza não nos abandonará. Portanto, mesmo que se diga que a pobreza absoluta terminará em 2030, podem apostar, haverá quem diga que “a pobreza relativa é o que realmente importa”, pois a desigualdade seria indutora de crimes e sensação de insegurança devido às diferenças de renda. O que não é verdade, pois não é simples assim. Vejamos a comparação ao final do artigo sobre Brasil e China, nosso país foi citado como tendo combatido e diminuído a desigualdade, um caso de sucesso como exemplo. Mas, vem cá… Não foi a China que abandonou a taxa histórica de miséria absoluta herdada de sua história e acirrada pelo comunismo de Mao Tsé-Tung? E o Brasil, que mágica é esta que fez para diminuir a desigualdade? Trouxe milhões para um patamar de renda superior ao mesmo tempo que achatou a classe média. Digam que não estão pagando mais impostos, se é que discordam de mim. Não estou defendendo a ignorância e o descaso para com os mais pobres, mas não seria promissor sonhar com um método como o chinês em que os pobres realmente diminuem graças ao enriquecimento geral?

 




3 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por augusto josé sá campello, em 23/04/2013 às 16:18

Boa tarde. Julgo necessário trazer à baila uma questão de fundo. Qual seja a conceituação do que vem a ser pobreza e suas gradações. O que é pobreza, também, no seu contexto histórico, social (nação) e geográfico. O que viria a ser isto? Vem a ser o fato de que pobreza ou desigualdade, manifesta-se de modo diversos em função do passado, manifesta-se naquela sociedade e naquele espaço geográfico. O que é o objeto do Banco Mundial? A pobreza em escala mundial. O que nos importa seria a mesma condição em nosso país. Que fatores levaram a perpetuar ao longo do tempo a sua existência? Que fatores a fazem amenizar-se de há bem pouco tempo para cá? Há a condicionante subjetiva de pessoas que alçaram-se a patamar superior em alguma escala sócio econômica manterem uma memória da pobreza induzindo-as a se considerarem ainda como pobres. Isto é inegável? Tendo a arriscar que sim. Outra coisa bem diferente e arriscada é o desejo expresso de adotar uma solução tipo chinesa. Pobreza na China é algo sequer admitido. Procure-se estatísticas chinesas a respeito. Chinesas, não as estimativas ocidentais. E, mais adiante, o enriquecimento geral chinês, sabidamente de geral tem pouco. Houve sim progresso econômico centrado em algumas regiões da China. E, ali, é claro, enriquecimento de pessoas. Mas, a que custo social? Não se deve ou pode ignorar que o fator trabalho, nestas regiões chinesas, foi obtido a baixíssimo custo via a política governamental de sequer reconhecer que o trabalhador que se deslocou do campo para estas regiões teria direito às mesmas condições de remuneração, assistência educacional e de saúde que os moradores ali já existentes. Ajscampello

Por Anselmo Heidrich, em 23/04/2013 às 18:59

@ajcampello "(...)o enriquecimento geral chinês, sabidamente de geral tem pouco." "Sabidamente" por quem? Quais tuas estatísticas? Imaginação?

Por augusto josé sá campello, em 23/04/2013 às 19:12

@anselmoheidrich Olha, amigo. Eu não uso minha imaginação para debate em lugares supostamente sérios e frequentados por pessoas supostamente educadas. As estatísticas, você, se quiser, pode pesquisar na www como eu faço com regularidade. Pode ler, também, em artigos e livros sérios. Agora, se vc prefere o insulto subreptício, fique com ele. Não me atinge. Ajscampello