Opinião

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 16:22  

“Presente” de domingo para o Eriksson Patos

Tamanho da fonte: a-a+

 

Por José Antônio da Conceição

Eriksson Patos disse em 21/04/2013 às 14:56 (link abaixo)

Discussão do OP
—————————————————————————————————————————————————-

Eriksson Patos: “O grande problema e que trás grandes males para as sociedades modernas são as ações dos governantes através dos estados para coibir essa natureza egoísta do ser humano em agir em interesse próprio. Ao perder essa liberdade os indivíduos se tornam servos sem vontade própria, pois a partir dai eles agem segundo uma vontade que não esta neles, mas é externas a eles, a DOS FILÓSOFOS IDEALISTAS QUE IMAGINAM O MUNDO EM QUE ELES DEVEM VIVER.”
—————————————————————————————————————————————————-

É tão INUSITADA a afirmação, que merecia um tratado ou mesmo uma TESE DE MESTRADO ou DOUTORADO.

Primeiro, por que nunhum Filósofo é um idealista (baseado em ideias de outros) mas, um investigador sério. O filósofo procura respostas CERTAS e CORRETAS para as questões humanas (os problemas que o ser humano enfrenta) e, utiliza para isso a maneira de pensar filosófica (durante a investigação) utilizando para isso as ferramentas fornecidas pelo estudo da Filosofia.

Falando resumidamente o KIT de ferramentas da Filosofia é: Argumentação, Argumentação dedutiva, Argumentação indutiva, Estudo das falácias, das Falácias relativistas (este argumento do Erikssom -acima- é uma falácia relativista), Falácia post hoc, o falso dilema, falácia genética, falácia do mascarado, Falácia da rampa escorregadia, afirmação do consequente. Ao defrontar-se com estas miríades de formas de afirmar que o falso é verdadeiro, o Filósofo precisa trabalhar com ferramentas de pensamento.
- Detectar raciocínios de tipo regressivo (saber onde parar)
- Detectar pseudo profundidade (identificar palavras de peso)
- Utilizar o método de contra-exemplos (dialética)
- Identificar o que é justiça (se existe dentro do argumento apresentado)
- Buscar semelhanças (culturas, raças, familias)
- Buscar o elo (o que é ISSO em essência? está ligado a quê?)
- Verificar os graus de razoabilidade
- Justificar ou não as crenças (Erikssom Patos crê em algo – Não estou falando de religião ou seita)
- Procurar os erros categoriais

Então, diante do exposto, ser FILÓSOFO IDEALISTA como afirmou o Eriksson Patos, deve exigir uma trabalho mental tão grande, que, se verdade a afirmação do Eriksson, não existiriam Filósofos!

JAC
—————————————————————————————————————————————————-
Não Eriksson Patos. Você está ENGANADO a respeito do trabalho e da intenção dos Filósofos!

JAC
—————————————————————————————————————————————————-
Reflexão Filosófica

(…)

Outro elemento da Filosofia é o movimento de volta sobre si mesmo (dialeticidade). O pensamento surge e interroga a si mesmo. Indagando como é possível o próprio pensamento. Este movimento de indagar a si próprio, é reconhecido na Filosofia enquanto reflexão filosófica radical, que se organiza em três conjuntos de questões, descritos por Chauí (1995) como:

1 – Por que pensamos o que pensamos, dizemos o que dizemos e fazemos o que fazemos? (motivos, causas e razões)
2 – O que queremos pensar quando pensamos, o que queremos dizer quando falamos, o que queremos fazer quando agimos? (conteúdo e sentido)
3 – Para que pensamos o que pensamos, dizemos o que dizemos, fazemos o que fazemos? (intenção e finalidade)

Diferentemente da atitude filosófica que se dirige ao mundo que nos rodeia, indagando a essência, a significação e a origem de todas as coisas, a reflexão filosófica aponta seu pensamento aos seres humanos no ato da reflexão, perguntando sobre a capacidade e finalidade humana para agir e conhecer.

Marilena Chauí
—————————————————————————————————————————————————-
“Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.”

Marilena Chaui

—————————————————————————————————————————————————-

Mais sobre o mesmo assunto: (575 páginas)

FILOSOFIA, POLÍTICA E EDUCAÇÃO




51 opiniões publicadas

O que você tem a dizer?

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 12:34

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:21 Ainda bem que moro bem próximo do rio Araguaia! - Fui! Passar bem com a sua viagem imaginaria e com a sua encheção de linguiça! ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Olha só! Encontrei um lugar para ir pescar e bebericar uma cachacinha Mineira artesanal, das melhores! (mas ainda falta o convite) Vou continuar esperando! O Rio das Velhas aqui pertinho de Belo Horizonte (que já recebeu até navio a vapor vindo da Europa na época do Brasil Imperial) está todo assoreado e cheio de bosta e outros detritos trazidos pelo maravilhoso "progresso, industrialização e avanço na qualidade de vida". O vapor vinha pelo Rio São Francisco, entrava no Rio das Velhas e navegava até Sabará, na Região metropolitana de Belo Horizonte!

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 12:37

Quispariu mesmo! Que merda de vida no Brasil Colonial e depois no Brasil Império... Que maravilha de vida existente hoje (apesar do Rio das Velhas não ser mais o que já foi no passado).

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:43

UBUNTU pra você!

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 12:16

Eu estava mesmo meio admirado! Demorou bastante para o Eriksson Patos querer, na marra, TRANSFORMAR um post de Filosofia em post de Economia...

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:30

O bob tinha razão: quiuspariu!

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 12:21

Mas o burro sou eu, vejam: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:49 Não se trata de "abrir mão do conhecimento alheio" como você observou (21:37). Mas é necessário colocar o conhecimento alheio "sob suspeição", desconfiar dele, investigar o que ele (conhecimento) está IMPELINDO as pessoas a fazer... questionar! Sem querer entrar no mérito e desviar o assunto do post (apenas para exemplificar) Cobrar Juros é ético? Cobrar juros é moral? As justificativas da existência da "instituição Juros" foram questionadas? Como funcionaria uma economia sem a existência dos Juros? É isso... ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:29

Você abre um post com o meu nome para esculachar uma frase dita em outro contexto, inclusive de discussão sobre economia, portanto se eu continuar a dar corda para esse tipo de coisa, quem vai andar de quatro vai ser eu e não demora muito!

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:25

Se eu continuar esse papo contigo, daqui quem vai estar andando de quatro vai ser eu!

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 12:12

O Eriksson Patos e José Antônio foram pescar! Assim que entraram na rodovia começou a discussão. O Eriksson Patos queria velocidade média de 80 Km/h mas a estrada era boa e o José Antonio queria acompanhar os outros veículos que trafegavam na média de 100 a 110 Km/h. Cada um tinha sua justificativa para a velocidade que desejavam! Depois, o outro problema foi na escolha do local de dormir. O Eriksson queria as suites do hotel, mas isso ficava a mais de 30 Km da beira do rio. José Antônio argumentou que o tempo seria melhor aproveitado se montassem acampamento na beira do rio. Eriksson argumentou o desconforto com mosquitos e perigo de picadas de serpentes além da falta de segurança! Até sobre onça jaguatirica ele falou! Resumo da história: Entre discussões e mais discussões o fim de semana prolongado passou, o que deveria ser descanso virou uma viagem extenuante e peixe que é bom mesmo, nada! ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Em toda discussão sobre um TEMA qualquer existe uma pescaria! Existem os argumentos e os contra-argumentos. Porém, se é para fazer "pescaria" confortavelmente, melhor pescar num aquario, dentro de um ambiente com ar condicionado e garçons servindo petiscos e bebidinhas refrescantes, não é mesmo?

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:21

Ainda bem que moro bem próximo do rio Araguaia! - Fui! Passar bem com a sua viagem imaginaria e com a sua encheção de linguiça!

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 12:03

Enquanto o senhor JAC fica com o seu nhá nhá nhé nhé, os juros mesmo que é bom ficam sem explicações por ele. Se você não sabe sobre essa questão porque toca no assunto?! Ninguém está te obrigando a falar de algo que não quer, mas quem fala o quer escuta o que não quer. Para de rodear o toca e fala de juros ...................................................

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 10:36

"Presente" de Segunda-feira para o Eriksson Patos ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ENTENDA O UBUNTU (Lia Diskin) A jornalista e filósofa Lia Diskin, no Festival Mundial da Paz em Florianópolis (2006), nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu. Ela contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo, então, propôs uma brincadeira para as crianças, que achou ser inofensiva. Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, colocou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e deixou o cesto debaixo de uma árvore. Chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto e, a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro. As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "Já!", instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes. O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam: "Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?" Ele ficou de cara! Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo, e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo? Ubuntu significa: "sou o que sou pelo que NÓS SOMOS !" Atente para o detalhe: pelo que SOMOS, não pelo que temos... UBUNTU PRA VOCÊ, Eriksson! http://sites.google.com/site/filosofiapopular/home/ubuntu ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 11:00

JAC, você incorporou o UBUNTU?! - Acorda porque essa não é a sua praia... http://pt.wikipedia.org/wiki/Ubuntu_(ideologia)

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 11:58

Alias é bom ficar claro de uma vez por todas, que o seu intento é desviar a atenção dos principais temas em pauta, dai esses assuntos leco leco para disfarçar e sair pala tangente e não responder nada. Os juros mesmo que é bom você está imaginando que está passando ao largo, mas não está. Estou de olho no senhor seu JAC sabonete!

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 11:54

Não é difícil de entender, é até fácil demais quando não se quer dar voltas ao toco para não marrar o burro. É necessário ir para Africa para entender algo que está na bíblia? - Especificamente no segundo testamento - no cristianismo? Toda a doutrina, moral e ética de cristo aborda essas questões. Todo cristão convicto sabe disso. O problema é outro, lá se trata de uma ideologia ou de uma crença colocada como uma filosofia de vida, apenas isso. Se fosse de fato um estilo de vida não teríamos as contantes guerras tribais que existem lá. Inclusive a Africa do Sul tem um dos índices de criminalidade mais altas do mundo. Mas acho que tudo isso ai pouco te sensibiliza numa discussão racional de determinados temas, porque o seu interesse mesmo é confundir e não esclarecer.

Por José Antônio da Conceição, em 22/04/2013 às 11:32

@patos Tá bom! Fui lá na Wikipédia! Eis: "Uma pessoa com ubuntu está aberta e disponível aos outros, não-preocupada em julgar os outros como bons ou maus, e tem consciência de que faz parte de algo maior e que é tão diminuída quanto seus semelhantes que são diminuídos ou humilhados, torturados ou oprimidos." Tá difícil de entender Patos? É por isso que você "recebe" o presente e parte para o ataque?

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 11:15

O senhor JAC se acha esperto, torce e distorce o que ele mesmo escreve para sair pela tangente, entra no terreno religioso e até mesmo ideológico disfarçadamente... Que tal senhor JAC abrir um tópico só para tratar das questões religiosas das pessoas, para tratar das suas crenças e valores morais e éticos? Pode se convidar pastores, padres, cônegos, etc... Como se diz o velho ditado, o senhor JAC está a dizer de forma sorrateira e rasteira, como se eu estivesse andando de quatro para não entender a mensagem subliminar dele: está vendo seu pato (pateta!), eu sou ético e moral semelhante a tribo africana, sou humanista e fraternal, mas e você capitalista individualista e egoísta, o que é?

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 07:39

Sem querer entrar no mérito e desviar o assunto do post (apenas para exemplificar) Cobrar Juros é ético? Cobrar juros é moral? As justificativas da existência da "instituição Juros" foram questionadas? Como funcionaria uma economia sem a existência dos Juros? É isso... .......................................................................... Como diz o comediante Chaves: "sem querer querendo(!)". Sim foi questionadas milhares de vezes em toda a historia da humanidade, vários estudiosos fizeram e discutiram sobre os juros. Acho que foi você que esqueceu de estudar essa questão, e não sei porque fez isso, já que estuda filosofia. Porque quem estuda filosofia deve estudar economia, historia, sociologia, psicologia, antropologia, politica, etc... A igreja na idade média proibia a cobrança de juros, era tido como pecado mortal. Sólon na Grécia antiga proibiu a cobrança de juros em determinados tipos de mercado, era motivo de pena de morte. A constituição brasileira de 1988 estabeleceu o limite máximo da cobrança de juros em 12%, e por ai vai ... Agora eu gostaria de ver você discorrendo sobre as próprias perguntas que você fez sobre os juros. Eu sou todo ouvidos...

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 07:41

Quero ver a sua pesquisa e experiencia sem nenhuma ideologia viu em relação aos juros, ok?

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:41

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 21:29 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- @joseantonio400, claro que a filosofia é uma ferramenta importantíssima para o conhecimento em geral, mas ela por si só não é suficiente para adquirir o conhecimento meu chapa - vamos ser mais claros nesta questão. A ciência entra na parada ai com a sua metodologia. Nesta questão acho que estamos tranquilo. Agora, a impressão que você passa é que a filosofia é capaz de fazer você ter noções de algo que está fora do seu alcance perceptivo sensorial. Ai entra o conhecimento alheio como complemento do conhecimento do qual você fala. A razão por si só não é capaz de adquirir o conhecimento sem que não seja alimentada de informações do mundo sensorial. Essas informações do mundo sensorial são adquiridas com o auxilio das pesquisas cientificas e seus métodos próprios. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Patos: O conhecimento existente é IMENSO e incapaz de ser assimilado por um único ser humano. E este conhecimento cresce a cada dia! A Filosofia é a única ciência capaz de capacitar o ser humano a INTUIR sobre o falso e o verdadeiro nesta enorme montanha de conhecimento que não para de crescer! Verdades tidas como imutáveis deixam de ser verdade daqui a um tempo! Exemplo? Lepra mata (no passado) Hanseníase (a mesma lepra) é curável nos dias atuais! A Filosofia ensina a não SE PRENDER a determinadas verdades (verdadeiro) por que elas poderão deixar de ser (falso) dentro de algum tempo! Se você observar, o que eu disse acima sobre a Filosofia é exatamente o contrário daquilo que faz a ideologia!

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:49

Não se trata de "abrir mão do conhecimento alheio" como você observou (21:37). Mas é necessário colocar o conhecimento alheio "sob suspeição", desconfiar dele, investigar o que ele (conhecimento) está IMPELINDO as pessoas a fazer... questionar! Sem querer entrar no mérito e desviar o assunto do post (apenas para exemplificar) Cobrar Juros é ético? Cobrar juros é moral? As justificativas da existência da "instituição Juros" foram questionadas? Como funcionaria uma economia sem a existência dos Juros? É isso...

Por erikssom patos, em 22/04/2013 às 07:28

@joseantonio400, eu sei que a filosofia é importante para ordenar o pensamento corretamente para o conhecimento. Para isso existe a filosofia da ciência, e nada melhor do que um Karl R. Popper não é mesmo?

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:05

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:53 A filosofia tem como instrumento de trabalho a razão, e essa tem limitações naturais pelas quais quando não admitidas e reconhecidas trazem consequências e resultados ilusórios investidos de verdades absolutas. A razão é uma faculdade humana poderosíssima, mas limitada nas suas capacidades de perceber a realidade, seja ela, imanente ou transcendente. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Sobre isso, Sócrates disse assim: "Só sei que nada sei" Ou seja: para se encontrar a verdade, numa investigação CRITERIOSA e cheia de bons propósitos, é necessário antes, reconhecer a própria ignorância (ignorar fatos e detalhes ainda desconhecidos), partir do pressuposto que você dispõe APENAS do intelecto e sair à procura, reunindo informações, dados históricos, relatos, respostas, tudo aquilo que estiver disponível. Depois corra atráz daquilo que não está disponível (as informações sonegadas ou deturpadas em sua verdade). Ao final, coloque os dados sobre a mesa e DEIXE que eles falem! (Esqueça o que você sabe a respeito e não discuta com o que os dados revelarem para você). Fique tranquilo! Os dados não são FOFOQUEIROS e não vão espalhar por aí que você discute com a VERDADE colocada à sua frente constantemente! Rs...

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 21:29

@joseantonio400, claro que a filosofia é uma ferramenta importantíssima para o conhecimento em geral, mas ela por si só não é suficiente para adquirir o conhecimento meu chapa - vamos ser mais claros nesta questão. A ciência entra na parada ai com a sua metodologia. Nesta questão acho que estamos tranquilo. Agora, a impressão que você passa é que a filosofia é capaz de fazer você ter noções de algo que está fora do seu alcance perceptivo sensorial. Ai entra o conhecimento alheio como complemento do conhecimento do qual você fala. A razão por si só não é capaz de adquirir o conhecimento sem que não seja alimentada de informações do mundo sensorial. Essas informações do mundo sensorial são adquiridas com o auxilio das pesquisas cientificas e seus métodos próprios.

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 21:37

É evidente e desnecessário dizer que adquirimos conhecimento do mundo sensorial por meio de nossas próprias experiencias sem a necessidade das ciências. É claro que esse conhecimento tem suas distorções devido a precariedade de nossas habilidades para observar ou interpretar o meio em que vivemos tão somente pelas nossas percepções sensoriais. Podemos até mesmo criarmos mitos a partir de nossas experiencias próprias. O mundo antigo era assim, o contato com a natureza estimulava o pensamento a uma interpretação e cosmovisão de mundo apartado da realidade, mas que refletia esse palidamente. Nessas condições a razão daquele período estava pouco desenvolvida na sua capacidade de relacionar os vários processos dos fenômenos observados diretamente pelas mentes primitivas. Hoje, não podemos abrir mão do conhecimento alheio, pois vivemos numa teia de aranha ou selva de pensamentos, pelos quais respiramos.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:07

corrigindo um parenteses: (ignorar fatos e detalhes ainda desconhecidos, ou adquiridos com viés diferenciado -ou eivados de ideologia-)

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 20:51

SOBRE O COMENTÁRIO DO ERIKSSON (20:41) ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 17:42 @victorcfs Pessoalmente (e intransigemente) defendo a Municipalização! Cada Município desta nação precisa encontrar sua vocação econômica e dedicar-se a ela com afinco, gerando emprego e riquezas! Chega de Municípios paupérrimos vivendo do FPM e da redistribuição do ICMS e mais algumas outras verbas federais. Esta Municipalização colocará em curso uma outra política importante: o êxodo urbano. Os ploblemas das grandes metrópoles Brasileiras será resolvido quase sem investimento público (mobilidade urbana, supelotação dos equipamentos públicos já instalados). Quanto à política econômica em si, se ortodoxa ou não, é questão a ser resolvida conforme a aceitação dos agentes econômicos. Ideias novas nem sempre são assimiladas e os prórpios agentes trabalham contra o necessário equilíbrio. Endividamento e emissões de moeda sem lastro já demonstraram sua perversidade. Porém uma ideia (inclusive contida no seu post) a respeito da diminuição do Estado e do Governo sem a consequente preparação para o evento seria catastrófico! É algo como soltar todos os animais do zoológico e demitir seus funcionários! Leões, Hienas, Onças e outros ficarão soltos e se alimentarão de humanos sem a menor cerimônia! Estado mínimo, só quando a nova Legislação estiver consolidada e fielmente cumprida por todos. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 19:00 JAC, o seu texto ai abaixo [ACIMA] soa quase que ontológico com algumas ressalvas. É claro que há algo discutível, mas você beirou o liberalismo ai cara. Estou boca aberta nessa, e te confesso que não estou acreditando até agora. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- A questão é EXATAMENTE ESTA! (Olhar para os comentários com a mente "contaminada" por ideologias. Se você CONSEGUISSE ler os comentários "FORA DO VIÉS IDEOLóGICO" já saberia deste meu posicionamento há tempos... mas disse que está de boca aberta! Ou seja; Você não abandonou a ideologia em que acredita, mas por um motivo qualquer, ela AUSENTOU-SE de você durante a leitura do comentário! Infelizmente, o mesmo não aconteceu abaixo, você NOVAMENTE incluiu a ideologia DENTRO DO DIÁLOGO (ideologia, como dito por mim anteriormente é aquilo que contamina a maneira de pensar). A prova está lá (no seu comentário de (20:41).

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:59

@joseantonio400, mas sinceramente eu admirei daquela postura de resposta ao Victor. Não estou acreditando até agora que aquilo ali é o seu pensamento. Eu gostaria de ver você desdobrar tudo aquilo ali que foi dito. A exceção que eu vi ali foi com relação a questão do êxodo urbano, em que você pensa que é uma solução atual para as questões de mobilidade dos grandes centros urbanos. Talvez seja, mas há conjecturas que mostram que os problemas pode se agravar em outros aspectos não considerados por essa perspectiva em analise.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 21:13

TUDO que está reunido naquele comentário eu já disse (várias vezes) dentro do OP! Acredite em mim! Das outras vezes que eu disse AS MESMAS COISAS, você leu mas não compreendeu! Isso não é UMA CRÍTICA! Estou lhe explicando um FENÔMENO dos mais corriqueiros, que acontece com MAIORIA das pessoas! (A ideologia "torce" nossa mente na hora de entender um enunciado ou um texto) Como não é possível "tirar a ideologia de dentro de nós" é aconselhável fazermos duas leituras. Se nos posicionarmos CONTRA aquilo que o texto diz... é bom "investigar" nosso posicionamento! Depois, voltar ao texto e tentar ler de novo, com ISENÇÃO.

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 21:08

Eu sei que sou limitado, não tenho o conhecimento necessário de varias coisas e situações, mas há coisas que eu saco de longe e percebo a natureza do pensamento do sujeito, inclusive o meio cultural dele.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 20:24

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:44 @joseantonio400 - Buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história é útil? - É útil reconhecidamente, mas: - Por que meios e como fazer isso? ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Filosoficamente falando, o "meio" e o "como" fazer isso é do alvedrio de cada um! A Filosofia tenta alertar que a melhor maneira de fazer isso é estando "do lado de fora das ideologias" para que sua conclusão não seja contaminada por "pre-conceitos". A filosofia aconselha que a razão (Razão pura, racionalidade sem contaminação) sejam utilizadas na investigação. O Filósofo Westerley (com quem converso, dialogo e filosofo junto constantemente) me contou a respeito do seu curso de filosofia na PUC: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- "Primeiramente eles 'esvaziam' sua cabeça e depois vão aos poucos te mostrando caminhos, leituras e maneiras de reconstruir seu pensamento e sua maneira de analisar o mundo e chegar a conclusões corretas" ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as vezes que falo ou escrevo sobre "PENSAMENTOS CONTAMINADOS" invariavelmente me lembro disso que o Westerley falou!

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:48

@joseantonio400, tá bom, daqui há pouco nós estaremos praticando ioga e meditação! Já até pensei em um iniciado indiano Bhagwan Rajneesh, que ensina a meditar esvaziando todo o pensamento e para isso ele indica que não se deve fazer nada para alcançar o ponto chave da meditação que é o completo esvaziamento dos pensamentos. Sabe Zé, você está entrando para um terreno tão movediço que uma vez no meio atola se até o pescoço...

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:53

A filosofia tem como instrumento de trabalho a razão, e essa tem limitações naturais pelas quais quando não admitidas e reconhecidas trazem consequências e resultados ilusórios investidos de verdades absolutas. A razão é uma faculdade humana poderosíssima, mas limitada nas suas capacidades de perceber a realidade, seja ela, imanente ou transcendente.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 20:53

Estou (APENAS) prazeirosamente respondendo SUAS perguntas (ou seus questionamentos apresentados). Mas posso apenas RESPONDER! Atender suas expectativas é ALGO que não me propuz a fazer!

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 20:07

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:48 @joseantonio400 - Não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos é útil? - Sim é útil, mas como identificar as ideias e os poderes dominantes? - Leon Trotski nos seus escritos já dizia algo sobre a revolução permanente, o que você acha? ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 - Sobre Leon Trotski vou me abster de emitir opinião. Motivo: "Somos seres pensantes e continuamos a produzir ideias". 2 - A submissão às ideias e aos poderes estabelecidos é discussão filosófica tão antiga quanto Sócrates! Por isso a Filosofia existe! Ela nasceu contestando os mitos, englobava todas as ciências quando nasceu! O tempo passou, humanos nasceram e morreram mas, continuaram ATIVOS! Outros MITOS foram criados! Você, por exemplo, acredita no mito do "livre mercado com Estado mínimo". Não acredita em REGULAÇÂO por parte do Estado para proteger os mais fracos, os indefesos e os oprimidos! Aliás, não acredita que existam OPRIMIDOS criados pelo próprio SISTEMA que deles se alimenta (como consumidores). Para identificar as ideias e os poderes dominantes é preciso ter a capacidade de "Sair mentalmente do sistema" e fazer uma observação CRITERIOSA do funcionamento dele, sem levar em conta suas necessidades, seu dinheiro, suas propriedades! Karl Marx fêz isso (sendo burguês e aproveitando-se do dinheiro que o mantinha durante suas observações). Infelizmente os acontecimentos históricos fizeram com que as pessoas desacreditassem naquilo que Marx observou e escreveu (documentou). Se existem dominantes é por que existem dominados! Escolha o ângulo pelo qual você vai observar! Pode ser confortavelmente instalado na suite de um hotel ou bebendo cafezinho em copos ensebados lá na favela! Mas veja "de perto" pelo amor de Deus! Hoje, minha esposa chorou! No programa da Regina Casé (Esquenta) apareceu uma menina da periferia que declarou que na casa dela existe UMA ESCOVA DE DENTES para todos utilizarem! É desses casos que falo quando cito os "miseráveis gerados e mantidos pelo sistema".

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:41

@joseantonio400, Karl Marx antes de sair fora da caixa, ele mergulhou na caixa, exatamente o que você se recusa fazer, fazendo! A questão é que a caixa que você mergulha é apenas uma, não deveria ser, mas é. Para citar os seus autores prediletos você enche as páginas de escritas, mas quando você cisma de taxar as minhas opiniões de segunda ou terceira mão, é daqui para li né?! Quando se trata de suas ideias são de primeira mão, mas quando são alheias, ai é de segunda ou terceira mão! Depois não quer receber criticas severas... Eu por diversas vezes já te disse e volto a repetir, você tem um grave defeito, pratica a "desonestidade intelectual". Você evoca ideias próprias para si quando quer confrontar com uma opinião contraria a sua taxando-a de alienígena, mas quando isso é praticado em larga escala por você, tudo te parece normal e permitido. A verdade é que você é marxista e não quer se declarar objetivamente para defender os seus ideais, eu particularmente não vejo mal nenhum nisso, e não entendo porque você não admite.

Por milton valdameri, em 21/04/2013 às 19:53

Marilena Chaui não é aquela que disse que o mundo se ilumina quando o Lula fala?

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:03

@miltonv, é ela mesmo.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 19:29

Gostei! Vamos por partes! (Não se discute filosóficamente, sem separar o TEMA em todas as partes e analisar cada uma separadamente). Isso é regra! Analisando separadamente as partes, elimina-se tudo aquilo que NÃO PERTENCE ao tema. (discute-se só a essência)! ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- - Vamos começar entendendo cada termo desses: O que seria essa ingenuidade e esses preconceitos? ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Posso falar no popular? Acredito que falando (conforme Dona Maria das tranças e João Sementeiro), estou dentro do meu trabalho de mostrar para o grande público que FILOSOFAR não é bicho de sete cabeças, nem é algo destinado apenas aos "intelectuais". INGENUIDADE Dona Maria das Tranças comprou um rádio de ondas curtas novinho em folha! Custava 180 reais à vista, mas o vendedor a convenceu que "seu nome era bom na praça" e ela concordou em pagar 20 prestações de 16 reais! (isto é ingenuidade). Mas não é culpa dela! Ela não frequentou o sistema de Educação/Ensino que deveria te-la capacitado para não cair nestas armadilhas! Ela deveria é TER OFERECIDO 162 reais à vista pelo rádio (10% de desconto). Joaõ Sementeiro comprou numa loja, um quilo de sementes de feijão (você sabe a área do terreno). Como ele havia aprendido com seu pai, separou a produção das plantas mais viçosas e guardou os grãos para o plantio da próxima safra! Mas eram sementes da Monsanto e ele enfrentou um processo! O Juiz (que precisa cumprir a Lei escrita) condenou o João Sementeiro a pagar uma "indenização" à Monsanto por estar "se apropriando" de alguma coisa cuja patente pertencia a terceiros. PRECONCEITOS Filosofia Preconceito: A ética e os estereótipos irracionais Ética é a área da filosofia que estuda o comportamento humano. Portanto, um problema ético de grande relevância e interesse é o preconceito, uma vez que se trata de um comportamento que cria vários problemas práticos para o ser humano. Para o filósofo, ou melhor, no âmbito filosófico, para se tratar do tema, a primeira questão a ser levantada é: o que é ou em que consiste o preconceito? A resposta que se dará a essa questão aqui tem como base as ideias do filósofo e jurista italiano Norberto Bobbio, cujas posições éticas e políticas costumam ser acolhidas pelos mais diferentes grupos, sejam de direita ou esquerda, por exemplo. Ao analisar o preconceito, Bobbio deixa claro que ele se constitui de uma opinião errônea (ou um conjunto de opiniões) que é aceita passivamente, sem passar pelo crivo do raciocínio, da razão. O estereótipo Em geral, o ponto de partida do preconceito é uma generalização superficial, um estereótipo, do tipo "todos os alemães são prepotentes", "todos os americanos são arrogantes", "todos os ingleses são frios", "todos os baianos são preguiçosos", "todos os paulistas são metidos", etc. Fica assim evidente que, pela superficialidade ou pela estereotipia, o preconceito é um erro. Entretanto, trata-se de um erro que faz parte do domínio da crença, não do conhecimento, ou seja ele tem uma base irracional e por isso escapa a qualquer questionamento fundamentado num argumento ou raciocínio. Daí a dificuldade de combatê-lo. Ou, nas palavras do filósofo italiano, "precisamente por não ser corrigível pelo raciocínio ou por ser menos facilmente corrigível, o preconceito é um erro mais tenaz e socialmente perigoso". Ao apresentar a base irracional do preconceito, Bobbio levanta a hipótese de que a crença na veracidade de uma opinião falsa só se torna possível por que essa opinião tem uma razão prática: ela corresponde aos desejos, às paixões, ela serve aos interesses de quem a expressa. ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Neste ponto, (segundo Bobbio) fica fácil perguntar: Quem é o beneficiado final (dos juros) que Dona Maria das Tranças pagou? Quem é o benficiário final da "indenização" que o Juiz obrigou João Sementeiro a pagar? ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Existe ou não INGENUIDADE e PRECONCEITOS (conceitos formados anteriormente, não importando se verdadeiros ou falsos) nestes DOIS casos POPULARES descritos por mim?

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 19:52

@joseantonio400, boa, existe ingenuidade e preconceitos. - Depois de sabido de tudo isso, o que fazer doravante?

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 21:04

Eu volto a frisar, não vejo mal nenhum em você se considerar um socialista ou num marxista tradicional ou ortodoxo, ou talvez num progressista modernista, sei lá tanto quantas qualificações e enquadramentos que se podem fazer nos dias de hoje. Eu por exemplo me considero um liberal e capitalista. Defensor do livre mercado, de um governo e um estado limitado.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 20:11

Esta é a questão (aliás a mesma questão de ontem, sobre as imagens que publiquei). Você continuará fazendo o que faz, eu continuarei fazendo o que faço. Agora, a título de EXERCÍCIO multiplique esta MINHA E SUA atitudes pela população INTEIRA! Enquanto cada um de nós CONTINUAR onde está, os políticos continuaraão onde estão, os cargos comissionados continuarão onde estão e tudo continuará ONDE ESTÁ, exceto o financiamento de tudo isso, que cresce constantemente!

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 20:09

Será que dona maria das tranças vai perceber quem é que está provocando os juros altos na compra de seu radio de ondas curtas? Ou ela vai continuar dependendo do João Sementeiro para esclarecê-la? Será que foi algum vizinho metido a sabido que entregou o João Sementeiro sobre o plantio de feijão?! Ou foi algum fiscal vindo da Mão Santo? Sabe aquela piada: isso é igual bosta de índio, todo mundo sabe que existe, mas nunca viu!

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 18:36

Ocorreu um fato novo na época de Sócrates, período fértil dos filósofos sofistas. Os sofistas eram danados, pois eles jogavam com as palavras dai uma forma de filosofar jogando com as palavras e isso embaralhava o raciocínio de qualquer filosofo que ficava perdido em meio aquele emaranhado de enunciados. Sócrates foi o cara que utilizou pela primeira vez uma ferramenta que ele mesmo desenvolveu, a maiêutica, e com isso ele destroçava os sofistas fazendo-os a concluir que muitas das vezes eles não sabiam do que estavam falando. Ele arrumou muita encrenca com isso, mas deixou o seu legado para os discípulos mais próximos, um deles Platão. - Uma pergunta era quase que fatal: o que é isso? Essa pergunta trouxa para a filosofia a ideia da definição do objeto.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 19:32

@patos UAI! A palavra "objeto" (definição de) consta -indiretamente- do meu comentário (19:29) e do seu (18:36)!

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:01

Dando aula de filosofia?! Transformando o que eu escrevo em versículos isolados do contexto em que estão inseridas? - Não é uma boa ideia.

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 17:28

Não, não! Mais uma vez você está enganado! O contexto é o planeta terra e suas economias diversas. O objeto (deste post) é o ser humano e sua possível racionalidade (depende de cada um). A discussão pode girar sobre qualquer uma das questões colocadas pela Marilena Chauí: - Abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum é útil? - Não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos é útil? - Buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história é útil? - Conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política é útil? - Dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos é útil? Existem muita BOAS IDÉIAS (não ideológicas nem comprovadamente testadas como ineficazes naquilo a que se propuseram inicialmente). Diferentemente de você, considero uma BOA IDÉIA!

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:48

@joseantonio400 - Não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos é útil? - Sim é útil, mas como identificar as ideias e os poderes dominantes? - Leon Trotski nos seus escritos já dizia algo sobre a revolução permanente, o que você acha?

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:44

@joseantonio400 - Buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história é útil? - É útil reconhecidamente, mas: - Por que meios e como fazer isso?

Por erikssom patos, em 21/04/2013 às 17:41

@joseantonio400, Sim são boas ideias, mas como empregá-las na pratica? - Como por exemplo, como fazer isso na pratica: - Abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum é útil? - Vamos começar entendendo cada termo desses: O que seria essa ingenuidade e esses preconceitos?

Por José Antônio da Conceição, em 21/04/2013 às 17:29

Aliás, VÁRIAS boas ideias!