Opinião

Por Heinrich Fonteles Fonteles, em 17/06/2013 às 21:35  

Nossa primavera “árabe”? papo dentro do trem.

Tamanho da fonte: a-a+

Hoje resolvi ir para à faculdade de trem. Ao longo do percurso fui conversando e sentindo as pessoas e começei a me lembrar de duas datas que vivi em idades diferentes, ao mesmo tempo em que conversava com as pessoas. 1985 – Diretas Já! e 1992 – Caras pintadas! Na primeria tinha 13 anos, na segunda 20 anos e hoje, 41 anos.
cena 1:A senhora no trem com filho, parecendo seus 50 anos, cansada, vinha do hospital servidor paulista (dos Estado), reclamava da falta de um equipamento para seu tratamento de coração, e dizia;” Mas dinheiro para copa tem. Mas din din para fazer metrô de último hora tem”. A moçinha do meu lado,sentada, negra, universitária, prounista, não tirava o fone do ouvido, ligada na jovem pan, wi-fi, no trem dá p acessar, passava informações do que acontecia (está acontecendo agora), do percurso dos manifestantes, a tomada do congresso, a presença no hotel da selação em Fortaleza. Nos informava em tempo real. Cadê plin-plin?? Ou datena? ou Resende?Nada!!
Vamos comparar. Em 1985, me parecia que a Globo e demais veículos de comunicação, embora querendo esconder, ainda, para o resto do país, mentia. Não havia redes sociais. Estava bem incipiente. Em 1992, a força da Une, e o corp a corpo, a tv ajudaram a colocar os jovens na rua. Já era professor do ensino médio. Estive lá com meus alunos. Redes sociais incipiente. Hoje, a teleparticipação e prensencialidade do evento comove. A maestria no uso das novas tecnologias, nos mostra a força da recepção..Massa amorfa é!!!Humm.
Interessante como o mínimo acesso à educação, e a desfetichação das tics, fazem os jovens se desencatarem rápido com as tics à medida que as “manipulam”..Isso mesmo manipular! Será que dar para manipular um povo assim? Desci na estação pinheiros, fui rapidamente, pois tinha que voltar para cumprir minhas formalidades na faculdade. Cumprindo. Durante minha observação, um jovem tira uma foto, e com o seu aplicativo, chamado “random” manda e recebe fotos de algum lugar do mundo. Não sabe para quem, mas alguém receberá suas fotos, indicando protesto no Brasil, em algum lugar do mundo. Se essa teleparticipação se desdobrará em ações e inserções políticas não saberemos, mas essa ação desse jovem já é política. Perguntei e disse que queria que alguém no mundo visse o que está “rolando” no país da copa, da Fifa. Vejam só, apontou uma organização supranacional acima na nacionalidade. Efeitos do raio da globalização?Mas voltemos ao papo no trem. A tia aponta que na próxima “marcha”, não para Jesus, mas com o povo:
- Eu vou com minha família. E a moçinha diz:
- Agora tá tendo quebra-quebra no Rio de Janeiro. A senhora diz:
- vamos mostrar isso na cara do papa também.

Venha a nós o vosso reino? Então, seja feita a vossa, melhor, a nossa vontade!

Que os políticos de todos os partidos façam uma leitura do que está acontecendo. O povo + redes sociais – Globo e similares = está causando mudanças. Se eles continuarem a praticar um discurso antigo, ancorado nas mesmas temáticas opacas, sem ressonâncias ao que o povo, os jovens querem, serão surpreedidos nas urnas em 2014. Lá na primavera árabe surpresas se sucederam. Cabe observar, avaliar e aprender novas lições. Navegar é preciso!!Uffa cheguei na estação. Alguns alunos me esperam na porta por notas, etc. Ainda há conformismos que precisam de noções. Talvez aqui se aplique o futuro mkt político. De ouvido em ouvido.

A “nova classe C” precisa de noções de conceitos. Com eticidade, dialogicidade e politicidade façamos isso. É a minha parte na construção. Então, vamos lá!! Turma – entrem – tudo bem? Sentemos. Então, como havia dito aula passada, pois é, vc viu. Nossa!!




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?