Brasil

Por Observador Conteúdo, em 23/04/2014 às 10:40  

Bagunça F.C.

Tamanho da fonte: a-a+

A menos de dois meses do início da Copa do Mundo, o Brasil continua a dar provas de desorganização tanto nos preparativos para o evento quanto na administração de seu próprio futebol.

São notórios os atrasos na entrega dos estádios e de obras de infraestrutura urbana. Algumas foram transferidas para depois do torneio, e outras, canceladas.

Em visita ontem ao Itaquerão, palco de abertura do Mundial, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, admitiu, resignado, que o cronograma está apertado e que a arena será entregue no último minuto.

“O importante é o Brasil estar pronto”, disse o cartola diante do fato consumado, num aparente esforço para evitar novos conflitos verbais com a organização local.

Na realidade, importante para o país –já no foco das atenções da imprensa internacional– teria sido cumprir suas promessas dentro dos prazos e custos previstos, sem deixar incertezas acerca de sua capacidade de assumir compromissos de tal envergadura. Afinal, há uma Olimpíada pela frente.

Apesar dos problemas e improvisações, a realização da Copa no Brasil não parece fadada a fiasco. Os jogos acontecerão e o torneio chegará a termo, ainda que aquém das condições ideais.

Infelizmente, prevaleceu mais uma vez a cultura nacional da falta de planejamento, das decisões postergadas até a undécima hora, dos orçamentos estourados e das injunções políticas que se sobrepõem ao interesse público.

Nesse cenário de negligências, o futebol brasileiro, que em tese deveria beneficiar-se da Copa para engendrar um salto organizacional, continua a ser gerido de maneira confusa e amadorística.

Depois de um início de ano marcado por torneios estaduais pífios e deficitários, o Campeonato Brasileiro teve início sob a ameaça de desavenças e conflitos judiciais. A decisão da Justiça esportiva de punir a Portuguesa pela escalação irregular de um jogador, na competição do ano passado, levou a agremiação paulista à Série B. A situação gerou descontentamentos e disputas na Justiça comum.

A crise, ainda sem desfecho, só reforça a percepção de que o futebol nacional, técnica e financeiramente debilitado, permanece distante do patamar profissional de centros mais avançados, como a Europa, onde, não por acaso, atuam os principais atletas do país.

Folha de S. Paulo – 23/04/2014




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?