Opinião

Por xicograziano, em 15/04/2014 às 16:33  

Lulinha x Observador Político: a verdade dos fatos

Tamanho da fonte: a-a+

A plataforma do Observador Político (OP) nasceu de um projeto chamado de “democracia digital”, abrigado no iFHC mas com gestão operacional e financeira independente. Seu objetivo era, e ainda é, estimular a discussão política, com conteúdo, sobre a agenda nacional. Os internautas se logavam, criando sua página, e livremente postavam “discussões”, submetendo-se aos comentários, também abertos na rede. Representou uma boa novidade na internet.
Em 19/4/2013, um usuário do OP publicou uma discussão intitulada “Enquanto o DESgoverno do PT distribui migalhas para os pobres Lulinha compra fazenda de 45 mi”. Seguiram-se 10 comentários, todos falando sobre a veracidade, ou não, da informação publicada. Nenhum desrespeitou o código de conduta do OP, manifestavam posições pessoais. Ou seja, o post NÃO foi realizado pelos administradores do site nem expressava a opinião dos administradores. Muito menos falava pelo iFHC.
Contra essa publicação, mesmo assim, em outubro de 2013 os advogados de Lulinha se insurgiram, acusando-a de caluniosa, porém responsabilizando o iFHC pela sua veiculação. Como o domínio da URL do site estava em nome do instituto, o Daniel Graziano, por ser gerente administrativo do mesmo, foi chamado a dar explicações. Mera formalidade. Ele jamais se interessou pela plataforma, nem pelas discussões no OP.
Após tal fato, passei eu, diretamente, a deter o domínio da URL do Observador Político, bem como a administrá-lo diretamente, desvinculando-o totalmente do iFHC. Começamos a moderar os posts e os comentários, e passamos a discussão aberta para uma página na rede social do facebook, onde o OP atualmente se aproxima dos 100 mil fãs. Sem censura, com respeito ao direito da manifestação.
Por essas razões, a ação advocatícia patrocinada por Lulinha contra o OP, por calúnia, não deverá prosperar. A causa significa, na verdade, uma tentativa de CENSURA dos canais de internet. Nós lutaremos contra isso. #internetdobem




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?