Opinião

Por Fernando Henrique Cardoso, em 25/06/2014 às 15:08  

PSDB comemora 26 anos. Perto dos anseios populares.

Tamanho da fonte: a-a+

Há pouco mais de um quarto de século fundamos o PSDB. O propósito era claro; ouvir, como diz nosso Manifesto, as “vozes roucas das ruas” e dispor de um partido que seguisse uma doutrina no qual não prevalecessem o clientelismo e a troca de favores. Mário Covas e eu, que éramos lideres do partido então majoritário na Assembleia Constituinte e no Senado, renunciamos ao poder partidário para sermos coerentes com o que acreditávamos. Franco Montoro e muitos outros, da mesma forma, deixaram o conforto de pertencer a um partido forte para pregar novos costumes políticos.
Mais do que nunca, agora, quando o povo berra nas ruas seu inconformismo, o PSDB precisa estar à escuta. A reivindicação não é só por mais crescimento econômico e melhores salários. É também por respeito. As pessoas querem liberdade para dizer, por elas próprias, sem intermediários, o que desejam. Cansaram de políticos corruptos e da demagogia dos que acham que só eles são bons e os adversários, um horror.
O povo quer coisas simples, mas fundamentais: decência, competência, bom atendimento nos hospitais, escolas eficientes, transportes melhores e, sobretudo, opinar, cada um por si, mas pensando na comunidade.
Neste momento eleitoral tudo o que o PSDB precisa é que seus candidatos, sem cair na armadilha dos adversários que nos pintam distorcidamente, ecoem com simplicidade os anseios populares. Só assim seremos coerentes com os propósitos originários. Só assim venceremos!




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?