Eleições

Por Observador Conteúdo, em 11/08/2014 às 09:17  

Só em novembro

Tamanho da fonte: a-a+

Longe de serem mera implicância de “pessimistas”, como quer fazer crer a presidente Dilma Rousseff (PT), as análises negativas a respeito da economia derivam da sequência de resultados ruins obtidos pelo governo federal.

Tome-se como a exemplo a última semana. Vieram, primeiro, as notícias sobre a queda de 20,5% na produção automobilística em julho, na comparação com o mesmo período de 2013. Até agora, a retração no ano é de 17,4%.

O setor se rende à realidade de vendas fracas, depois de inúmeras tentativas do governo de adiar o inevitável por meio de estímulos ao crédito e benesses tributárias.

Levará tempo para o segmento voltar a uma situação normal. Sofrendo as consequências das dificuldades domésticas, as montadoras tampouco conseguem, dado o alto custo de fabricação, inserir seus produtos no mercado internacional –exceção feita à Argentina. Trata-se do maior testemunho do fracasso da política protecionista dos últimos anos.

Os problemas continuam a se agravar também no setor elétrico. A despeito das negativas do governo acerca de um tarifaço, analistas privados apostam numa alta de até 30% nos próximos dois anos.

A conta de luz vai subir não apenas para bancar o pagamento dos empréstimos concedidos neste ano às distribuidoras, mas também o custo de produção das usinas termelétricas, mais caras.

É digno de nota que, no socorro mais recente às elétricas, 70% do valor emprestado virá de bancos públicos, em mais uma evidência de resistências no ramo privado.

O impacto na tarifa, de todo modo, já existe. A agência reguladora responsável tem autorizado reajustes de até 36% em vários Estados.

Em crise, o setor padece de incerteza regulatória e desincentivo ao investimento. Arrumar a casa será um trabalho longo.

A inflação, por sua vez, continua elevada. Verdade que o índice de julho, quase zero, surpreendeu. Houve queda importante no custo dos alimentos, que agora começa a chegar ao consumidor depois de meses de deflação no atacado. E os preços de itens influenciados pela realização da Copa do Mundo no país, como passagens aéreas e hotéis, também caíram.

Isso evitou que a taxa em 12 meses superasse novamente o teto da meta, 6,5%. Mas a inflação permanece preocupante, com os preços de serviços subindo ainda no ritmo de 8,4% ao ano.

No geral, permanece o quadro de estagnação com inflação resistente e grandes incertezas para 2015, o que não favorece a retomada dos investimentos. O governo parece ter adiado as soluções dos problemas da economia para depois das eleições. Esta é, em suma, a principal razão para a insegurança.

Jornal Folha de S. Paulo – 11/08/2014




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?