Economia

Por Observador Conteúdo, em 09/10/2014 às 09:22  

Ritmo lento

Tamanho da fonte: a-a+

O Fundo Monetário Internacional reduziu, pela sexta vez seguida, sua projeção sobre o crescimento da economia brasileira neste ano. A alta esperada do PIB caiu de 1,3% para 0,3% –nada, portanto.

A expansão global também sofreu revisão, mas foi discreto o corte na estimativa: passou de 3,4% para 3,3%. Entre os principais países, apenas Itália e Rússia devem avançar menos que o Brasil.

Com o novo prognóstico, o FMI se alinha ao que calculam analistas brasileiros. O relatório Focus, que reúne informações de dezenas de instituições e é divulgado pelo Banco Central, mostra o mesmo cenário de estagnação econômica com inflação alta e persistente.

Mesmo com essa convergência, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, insiste em classificar tais projeções como pessimistas e atribuir a fatores externos a maior parcela de culpa pelos problemas nacionais.

O argumento não se sustenta. Confirmados os números, o Brasil terá crescido 1,6% nos últimos quatro anos, enquanto a média mundial será de 3,5% (e 5,1% no caso dos emergentes). Estamos muito aquém do ritmo dos demais países, e não há otimismo capaz de superar tamanha diferença.

Verdade que, como diz o FMI, a recuperação global é desigual e concentrada nos Estados Unidos e em partes da Ásia. Mas o fato de o Brasil figurar de novo entre os piores do mundo atesta que há algo de particular por aqui.

O roteiro é conhecido. O governo demorou para perceber que as condições internacionais tinham se tornado mais adversas ao país. Os preços das exportações de matérias-primas caem desde 2011.

Trata-se de reversão do padrão vigente nos dois mandatos de Lula, quando as receitas brasileiras aumentaram com vendas externas, que puderam ser canalizadas para a expansão do consumo local.

O Brasil lidou mal com a mudança. A insistência num modelo que privilegia o consumo, desequilibra as contas públicas com subsídios de eficácia duvidosa e fecha ainda mais a economia para a competição internacional não deu resultados. Ao contrário, trouxe mais problemas, pois fez estagnar a produtividade e elevou os custos.

Como agravante, as intervenções aventureiras e desastradas em vários setores provocaram um colapso da confiança de empresários e consumidores, retardando o investimento, que é hoje menor (em relação ao PIB) do que no início do mandato de Dilma Rousseff (PT).

Quem quer que seja presidente pelos próximos quatro anos precisará tirar o país dessa situação, ou logo a geração de emprego e renda estará comprometida.

Folha de S. Paulo – 09/10/2014




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?