Corrupção

Por Observador Conteúdo, em 12/11/2014 às 10:09  

Paradoxo da Petrobras

Tamanho da fonte: a-a+

Se dependesse apenas dos políticos brasileiros, dificilmente as investigações sobre corrupção na Petrobras seriam conduzidas com a seriedade que o assunto merece.

Envolvendo inúmeros congressistas, governadores e ex-ministros, além de grandes financiadoras de campanhas, o esquema de desvios na estatal encontrava sua blindagem na força dos interesses a que servia. Em vez de encorajar apurações profundas, a própria dimensão do caso parecia constituir o maior obstáculo a sua elucidação.

O paradoxo começou a ser desfeito pelos acordos de delação premiada. Enquanto oposição e base governista insistem no teatro mambembe das comissões parlamentares de inquérito –criadas antes para dar satisfação ao público do que para esclarecer alguma coisa–, dois personagens centrais decidiram contar à Justiça o que sabem.

Em troca de penas mais brandas, Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, e o doleiro Alberto Youssef descreveram o processo de pilhagem.

Destinavam-se a PT, PP e PMDB o equivalente a 3% de negociações feitas pela estatal. Se políticos e funcionários da companhia se locupletavam de propinas, as empresas privadas que participavam dessa engrenagem corrompida assinavam contratos suculentos com a Petrobras. Todos ganhavam.

Uma vez tornado público o esquema, no entanto, muitos descobriram o quanto tinham a perder –a começar do governo Dilma Rousseff (PT), que, além de se preocupar com o estrago que o caso possa fazer em suas entranhas, teme possíveis prejuízos à imagem da maior estatal brasileira.

Segundo publicou o jornal inglês “Financial Times”, as negociatas da Petrobras estão sendo investigadas pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos e pela SEC (Securities and Exchange Commission, principal agência reguladora do mercado de capitais americano).

As autoridades daquele país apuram eventual violação a uma lei americana de combate à corrupção praticada no exterior ou por empresas que, como a Petrobras, tenham ações negociadas nas Bolsas de Valores dos EUA.

O Planalto calcula com razão que, a depender do que for descoberto por esses órgãos, poderá ser grande o impacto negativo nos negócios e investimentos da estatal com parceiros estrangeiros.

Nesse cenário, o expurgo da Petrobras não poderá, passe o trocadilho, ser apenas para inglês ver. As explicações a respeito do caso e as ações adotadas a fim de corrigir desvios precisarão convencer agentes internacionais para os quais pouco importam os interesses dos políticos brasileiros.

Folha de S. Paulo – 12/11/2014




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?