Brasil

Por Observador Conteúdo, em 27/01/2015 às 10:43  

Desconfiança e pessimismo

Tamanho da fonte: a-a+

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e seus companheiros de equipe ainda vão ter muito trabalho para levar os empresários a confiar na política econômica e retomar o otimismo. Confiar na política, nesse caso, é confiar, antes de mais nada, na determinação da presidente Dilma Rousseff de fazer o necessário para arrumar a casa. Em Davos, na semana passada, um empresário estrangeiro perguntou ao ministro da Fazenda, numa reunião fechada, se ele esperava sustentação suficiente para realizar seu trabalho. Segundo um participante do encontro, o ministro contornou o problema sem dar uma clara resposta à questão. No dia seguinte, num painel sobre perspectivas globais, ele cuidou indiretamente do tema. Em sua primeira intervenção, e antes de qualquer pergunta sobre o assunto, Levy atribuiu a uma decisão presidencial a adoção de um programa de ajustes e de reformas.

A mensagem do ministro sobre seus planos de trabalho tem sido geralmente bem recebida, mas a confiança na determinação do governo depende principalmente das atitudes da presidente. Ela é fiadora dos ministros e de seus projetos. Mas quem pode ser o fiador de um fiador, senão ele mesmo, com sua imagem e seu passado? Neste caso, a história da fiadora, no seu primeiro mandato e também nos dois períodos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pouco ajuda e muito atrapalha. Qualquer pessoa razoavelmente informada identifica as origens internas do baixo crescimento, da fraqueza da indústria, da inflação persistente e da piora das contas externas.

O esforço do governo para animar os empresários e especialistas do setor privado, disse também em Davos o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, já se reflete nas projeções de inflação para os próximos anos. Mas os sinais de otimismo e de confiança ainda são muito escassos, pelo menos em relação a 2015 e 2016 – metade do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

As projeções de inflação para 2015 subiram desde o fim do ano, segundo a pesquisa Focus, produzida semanalmente pelo BC. Em quatro semanas, a mediana das estimativas subiu de 6,53% para 6,99%, distanciando-se progressivamente da meta de 4,5%. Para 2016, houve uma queda de 5,7% para 5,6%. Esse é o mais claro sinal de otimismo indicado pela pesquisa. Os preços ao consumidor ainda estarão bem acima da meta no fim do próximo ano, mas os juros básicos, segundo os consultados, tenderão a diminuir de 12,5% no fim deste ano para 11,5% no fim do próximo. A aposta numa inflação de 5,6% depois de dois anos de nova política dificilmente poderá ser descrita como um sinal de entusiasmo, mas a tendência prevista pelo menos é favorável.

Todos os demais indicadores vitais continuarão muito ruins. Em queda há quatro semanas, a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 caiu, nesse período, de 0,55% para 0,13%. A estimativa para o próximo ano recuou, no mesmo intervalo, de 1,8% para 1,54%. O prometido aperto fiscal, somado à alta de juros, até poderia fundamentar a expectativa de baixo crescimento em 2015, mas em 2016, segundo os participantes da pesquisa, a economia brasileira continuará estagnada, no pelotão das mais fracas do mundo. Não é esse o cenário da equipe econômica. Depois do aperto inicial, tem dito o ministro da Fazenda, haverá condições para a retomada.

A projeção para o PIB é compatível com a previsão de mais dois anos penosos para a indústria, com crescimento de 0,69% em 2015 e de apenas 2,5% em 2016. As estimativas para os dois anos também recuaram nas últimas semanas. O quadro se completa com a expectativa de resultados muito fracos no comércio exterior. O saldo comercial previsto para este ano caiu de US$ 5 bilhões para US$ 4,5 bilhões nas últimas pesquisas Focus. O resultado esperado para o próximo ano deslizou de US$ 15 bilhões para US$ 10,02 bilhões.

A reabilitação da indústria, devastada nos últimos anos, é crucial para a retomada do crescimento. Os economistas do mercado sabem disso e parecem levar pouco a sério essa possibilidade. O governo deveria tentar entender a causa dessa descrença.

O Estado de S. Paulo – 27/01/2015




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?