Corrupção

Por Observador Conteúdo, em 12/01/2015 às 08:57  

Torneio de ingenuidade

Tamanho da fonte: a-a+

O discurso transformou-se num mantra. Com variações e ajustes de ocasião, foi repetido desde 2007, quando a Fifa escolheu o Brasil para organizar a Copa do Mundo de 2014, até os últimos minutos do segundo tempo, por assim dizer.

Coube a Ricardo Teixeira, à época presidente da Confederação Brasileira de Futebol –entidade que dirigiu de 1989 a 2012–, o privilégio de enunciá-lo na cerimônia que confirmou o país-sede do Mundial.

“O modelo proposto para a Copa no Brasil prevê a prioridade para os investimentos privados na construção e na reforma dos estádios, deixando os recursos públicos para a modernização da infraestrutura”, declarou o cartola.

Então membro do Comitê Executivo da Fifa, Teixeira decerto influenciou um relatório que, naquela ocasião, o órgão máximo do futebol elaborou. Com pequenas modificações, o texto reproduzia as palavras utilizadas pelo dirigente brasileiro, acrescentando que “só eventualmente [seriam usadas] as PPPs [parceiras público-privadas]“.

Sem nenhum esforço nem surpresa, o tempo se encarregou de revelar o quanto aquelas considerações continham de cinismo e patifaria –pois ninguém há de imaginar que a CBF e a Fifa estivessem sendo simplesmente ingênuas.

O balanço final apresentado pelo governo federal mostra que a iniciativa privada respondeu por meros 17% do total gasto com os estádios da Copa. Dos R$ 8,4 bilhões desembolsados para erguer ou reformar as arenas, R$ 7 bilhões vieram dos cofres públicos e R$ 1,4 bilhão saiu de bolsos particulares.

E isso sem contar que boa parte desses recursos está sendo financiada com generosas taxas de juros subsidiadas pelo governo.

Há, de todo modo, dois aspectos que chamam a atenção: dos 12 estádios do Mundial, os que custaram mais caro são aqueles que tiveram maior aporte direto do governo local; a arena Mané Garrincha (Brasília), inteiramente paga com verbas públicas, foi, por larga vantagem, a mais dispendiosa.

Decerto não se trata de coincidência. Trata-se, isto sim, de mais uma demonstração de descalabro administrativo e pouco caso com o dinheiro do contribuinte.

Se as contas da Copa já estão fechadas, é hora de vigiar a Olimpíada do Rio. A ser realizado em 2016, o evento tem orçamento próximo de R$ 40 bilhões e, a crer no discurso oficial, será igualmente repartido entre poder público e iniciativa privada. Acredite quem quiser.

Folha de S. Paulo – 12/01/2015




Nenhuma opinião publicada

O que você tem a dizer?